A ambiciosa corrida espacial chinesa

A ambiciosa corrida espacial chinesa

O país foi o terceiro a chegar na Lua e revelou grandes planos de exploração extraterrestre

Um projeto de exploração espacial fora do Sistema Solar foi anunciado pelo governo chinês em 2019. O objetivo da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China – CASC é encontrar planetas adequados para a vida. Uma série de naves com telescópios, detectores infravermelhos e outros sensores será lançada para procurar água e medir características que garantem a sobrevivência dos mais diferentes organismos presentes na Terra.

O diretor executivo da CASC, Yuan Jie, anunciou também uma missão de exploração em Marte em 2020. Os chineses pretendem construir uma estação orbital perto da Terra e uma base na Lua, que será concluída até 2045. No ano passado, a China colocou em órbita quase 30 naves espaciais, tornando-se líder entre os países que investem neste setor.

Testes com um módulo de pouso foram realizados em uma instalação em Huailai, cidade da província de Hebei - Foto: AP Photo / Andy Won
Testes com um módulo de pouso foram realizados em uma instalação em Huailai, cidade da província de Hebei – Foto: AP Photo / Andy Won

O Programa Espacial Chinês teve início em 1956 através de uma parceria entre o país e a União Soviética. O projeto de cooperação nas áreas da ciência, tecnologia espacial e desenvolvimento de foguetes durou até 1960, quando as duas nações romperam relações. A China continuou desenvolvendo seu programa de forma independente e começou a realizar lançamentos comerciais ao espaço em 1985.

Zhang Xiaoguang, Nie Haisheng e Wang Yaping, tripulantes da missão Shenzhou-10, após seu retorno à Terra em 2013 - Foto: Xinhua
Zhang Xiaoguang, Nie Haisheng e Wang Yaping, tripulantes da missão Shenzhou-10, após seu retorno à Terra em 2013 – Foto: Xinhua

A China foi o terceiro país a pousar uma sonda na Lua. A conquista foi alcançada na face escura do satélite natural, mais conhecida como o lado oculto. O Programa Espacial Chinês é marcado por um ritmo lento e constante, além de capacidades significativas. As novas conquistas são motivo de orgulho nacional e impulsionam os avanços tecnológicos. O programa recebe anualmente cerca de US$ 8 bilhões e fica atrás somente dos EUA no que diz respeito à liberação de verbas para projetos espaciais. Em 2018 o governo revelou o módulo principal de sua estação espacial, chamado Tianhe-1:

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Veja também

Vestimentas

As vestimentas tradicionais da China variaram ao longo dos diferentes períodos históricos e contextos sociais. Diferente da cultura do ocidente, os chineses não adotaram o estilo contemporâneo imediatamente.