A história da seda chinesa

Responsável pelos fios de um dos tecidos mais nobres do mercado mundial, o bicho-da-seda foi identificado na China por volta do século IX a.C em plantações de amora

A produção da seda, um dos tecidos mais nobres da indústria mundial da moda, teve início na China. Acredita-se que o cultivo do bicho-da-seda foi iniciado por volta do século IX a.C. As plantações de amoreira, pequena árvore em cujas folhas a lagarta responsável pela seda se desenvolve, consistiam um elemento essencial na produção do tecido. Quando já adulto, o inseto abandona seu casulo, pois precisa de um suprimento de folhas tenras para se alimentar.

Bichos-da-seda em fase de lagarta
Casulos deixados pelos bichos-da-seda ao atingirem a fase adulta

A descoberta da seda foi um possível acaso. De acordo com alguns registros históricos, teria sido Leizu, a mulher do Imperador Huangdi – o primeiro da China – que descobriu que do casulo do bicho-da-seda se extraía um fio possível de esticar até muito mais que o dobro do seu tamanho. Ainda hoje, Leizu é popularmente chamada a “rainha da seda”.

O processamento da seda foi acompanhado pela invenção e aperfeiçoamento de diversos equipamentos para tecer. Por volta do século V a.C., a produção das fazendas de seda do império chinês já era suficiente para permitir ao imperador presentear com peças de tecido os chefes das pouco amistosas tribos mongóis. No entanto, apesar de ser muito superior aos tecidos de lã, algodão ou linho, a seda lisa foi rapidamente superada quando os tecelões chineses conseguiram produzir peças tecidas com diferentes padrões.

Bichos-da-seda e folhas de amoreira colocadas em bandejas - Pintura da Dinastia Song atribuída a Liang Kai (Wikicommons)

Para a execução desses produtos de alta qualidade, diferentes grupos fios precisavam ser levantados e abaixados durante a tecelagem, o que não se podia fazer com os teares utilizados até então. Muitos tecelões resolveram o problema colocando uma série de barras, chamadas comumente de lançadeiras, através dos fios da urdidura. Contudo, as barras precisavam ser levantadas com a mão, o que tornava o trabalho bastante lento.

Uma tecelagem de seda localizada em Wuzhen, na província de Zhejiang

A demanda de seda espalhou-se rapidamente para além das fronteiras chinesas, atingindo a Pérsia e depois todo o Mediterrâneo. Por volta do ano 100 a.C., o imperador já havia organizado um sistema de caravanas para levar os produtos ao Oriente Médio e à Europa, na época sob domínio romano. Mais tarde, tal rota ficaria conhecida como Rota da Seda.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Veja também