Representação da lenda de Chang’e no Festival da Lua

Festival do Meio-Outono: uma celebração à lua!

Um dos mais tradicionais festivais chineses celebra a fartura e a união familiar na noite de lua cheia

O Festival do Meio-Outono nasceu como uma celebração tipicamente agrária. Os antigos imperadores e os trabalhadores do campo agradeciam a lua cheia do outono pela boa colheita – por isso a celebração também é conhecida por Festival da Lua. Desde a Dinastia Song (960–1127) as pessoas começaram a se reunir em jantares para venerar a lua e pedir por felicidade e prosperidade.

Algumas lendas surgiram a partir deste costume. A mais famosa delas fala sobre o arqueiro Hou Yi e sua esposa Chang’e. De acordo com a lenda, existiam 10 sóis no céu que queimavam as plantas e faziam as pessoas morrerem de fome. Hou Yi usou seu arco e flechas para atirar em 9 deles, salvando a Terra. O arqueiro ganhou como recompensa um elixir que o tornaria imortal, mas guardou o vidro para passar o resto da vida ao lado de sua esposa. Um dos estudantes de Hou Yi se aproveitou da ausência do mestre e entrou em sua residência para roubar o elixir. Para evitar que o ladrão levasse o presente de seu marido, Chang’e tomou a poção que a fez voar até a lua. Para honrar a esposa, Hou Yi começou a rezar para a lua.

Uma antiga pintura retrata o voo de Chang’e em direção ao Palácio Lunar
Uma antiga pintura retrata o voo de Chang’e em direção ao Palácio Lunar

Outra lenda fala sobre o sacrifício do coelho. Três imortais se passaram por mendigos para pedir comida na floresta. A raposa e o macaco lhes deram coisas para comer. Por não ter o que oferecer, o pobre coelho ofertou a própria carne e se atirou na fogueira. Os homens ficaram comovidos com a atitude do animal e o fizeram imortal, enviando-o para viver ao lado de Chang’e no Palácio Lunar.

Representação do coelho no Festival da Lua
Representação do coelho no Festival da Lua

O Festival da Lua continua sendo um importante feriado chinês. É celebrado no 15º dia do 8º mês do calendário lunar. Em 2019, corresponde ao dia 13 de setembro. As famílias costumam se reunir para jantar, apreciar a lua e soltar no ar as tradicionais lanternas de papel. As pessoas também compartilham alguns quitutes típicos, como o yuèbǐng (“bolo lunar” em tradução literal). O bolo assado tem formato redondo – que simboliza a união – e envolve um recheio denso e adocicado. O conteúdo varia de região para região, e pode ser feito de feijões vermelhos, sementes de lótus, chá verde, carne de porco, entre outras opções.

As famílias compartilham os deliciosos bolos lunares durante a celebração
As famílias compartilham os deliciosos bolos lunares durante a celebração

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Veja também