28 jan 2021

Governo do Acre terá apoio do Ibrachina para comercializar Zona de Processamento de Exportação

Projeto poderá abrir nova rota de exportações para o Pacífico

O Governo do Acre se reuniu com o Instituto Sociocultural Brasil-China (Ibrachina) para buscar apoio na atração de investidores estrangeiros. O objetivo é realizar a venda e captar investimentos na Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do estado. A reunião aconteceu nesta quarta-feira, 27, na sua sede do Instituto em São Paulo. Representaram o Acre Anderson Abreu, secretário de Ciência e Tecnologia; João Setti, procurador-geral; Alysson Bestene, secretário da Saúde; e Erick Venâncio, presidente da OAB do Acre.

O projeto foi apresentado durante o encontro. Segundo a comitiva do governo, a busca da parceria com o Ibrachina deve-se às boas relações do Instituto com empresas e autoridades estrangeiras. “Nós valorizamos a contribuição dos chineses no Brasil. Por isso, estamos aqui para pedir esse apoio. Precisamos gerar emprego e renda no Acre”, destacou Abreu.

O secretário enfatizou as vantagens logísticas do empreendimento no estado. “Temos um diferencial grande que é uma localização próxima ao Peru e Bolívia. Temos proximidade com os portos peruanos, algo que facilita a logística. Além desses países, podemos levar nossos produtos para a China e trazer mais produtos chineses ao Brasil. O Acre deseja alavancar o comércio exterior. Por todas essas facilidades que o Acre oferece, podemos ampliar nossa participação nos mercados asiáticos e europeus”.

Thomas Law, presidente do Ibrachina, acredita que há uma grande oportunidade de promover o desenvolvimento do estado com parcerias sólidas para a ZPE. Entre as ações que o Instituto estuda realizar estão a organização de roadshows, apresentando as oportunidades para empresas estrangeiras, em diversas línguas. “Faremos tudo que pudermos para estimular o desenvolvimento sustentável do Brasil. Esta é uma oportunidade interessante para todos, porque abre uma nova rota para o transporte de commodities através do Pacífico”, afirmou.

O presidente do Instituto destaca a importância logística da ZPE. “A localização é fantástica. Permite criar uma área de livre circulação de produtos vindos do Peru e da Bolívia. Um dos pontos que mais precisa de investimento em nosso país é a logística, a infraestrutura. Por isso o apoio do Governo Federal será de fundamental importância. É isso que vamos buscar nas próximas semanas”, enfatizou Thomas.

O secretário Anderson Abreu demonstrou otimismo com as possibilidades de aproximação direta com a China. Informou que o governador Gladson Cameli recebeu do  Ministério da Economia “sinal verde” para prosseguir com medidas para a venda da ZPE em 13 de janeiro. Entre os produtos cujas exportações podem se beneficiar da ZPE estão as carnes, a Indústria de Peixes da Amazônia e a madeira.

O procurador-geral João Paulo Setti explica que o modelo criado a ZPE visa apenas a transformação dos produtos, por isso não atraiu investidores de peso ao Acre. “O governo do Acre precisa que alguém assuma a propriedade. Estamos em momento decisivo. O Governo Federal já sinalizou incentivos para que haja esse desenvolvimento na região por meio da ZPE. O Acre também abriu mão de boa parte dos impostos para facilitar as negociações. Temos tudo para dar certo”.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas

Foto de capa: Governo do Pará

Observatório do Coronavírus #113

Estudo aponta que Brasil conseguiu reduzir taxa de reprodução do vírus; Agronegócio brasileiro leva feiras e eventos para a internet

Observatório do Coronavírus #204

China testa vacinas contra coronavírus em grupos de alto risco. Um dos epicentros da pandemia, Brasil atrai estudos de antivirais contra COVID-19.