24 de maio de 2020

Observatório do Coronavírus #112

EUA e Europa anunciam novas medidas de relaxamento do isolamento social; Ações solidárias no Brasil já mobilizaram R$ 5,2 bi para projetos de combate à pandemia

Foto de capa: Roberto Parizotti

Ouça a matéria:

Os principais países afetados pela pandemia dão continuidade às medidas de relaxamento do isolamento social sob o desafio de evitar que os casos de infectados e mortos voltem a crescer. Ontem, um decreto do governo francês autorizou a realização de cerimônias religiosas. Na Espanha, autoridades anunciaram a liberação da entrada de estrangeiros a partir de julho. Em várias regiões da Itália, as pessoas puderam voltar a frequentar praias. Essas e outras medidas têm como justificativa quedas nos registros ligados à pandemia. 

Em Nova York, nos Estados Unidos, por exemplo, o número de mortes sofreu redução considerável. Segundo Andrew Cuomo, governador do estado americano, o número de mortes por COVID-19 caiu para 84 nas últimas 24 horas — valor mais baixo desde 24/03. De acordo com Cuomo, tanto o número de hospitalizações quanto o de infecções e o de pessoas atendidas nas UTIs continuam a diminuir. Na última sexta-feira, o governador autorizou reuniões de até 10 pessoas, mas solicitou a ajuda da população para evitar uma segunda onda de infecções. As praias da metrópole seguem fechadas, diferentemente de outros estados costeiros, em que cartazes alertam sobre a importância de os frequentadores manterem distância uns dos outros.

 

Ações solidárias no Brasil aumentaram durante a pandemia e envolvem bancos e sociedade civil

A pandemia alterou a cultura das ações solidárias no Brasil. Bancos, empresas, milionários, celebridades e muita gente comum protagonizam um movimento sem precedentes no país. Enquanto predomina o descompasso na relação entre governo federal, estados e municípios, o mundo corporativo e a sociedade civil estabeleceram alianças que mobilizaram, em menos de dois meses, R$ 5,2 bilhões em doações para projetos de combate à COVID-19 e suas consequências. A cifra foi apurada pelo Monitor das Doações da Associação Brasileira de Captadores de Recursos, que começou a mapear as ações do setor privado no fim de março.

O Itaú Unibanco lidera a lista de filantropos contra a doença, com a criação do fundo Todos pela Saúde a partir da doação de R$ 1 bilhão para financiar ações definidas por um comitê de notáveis a área médica. O fundo já direcionou até agora R$ 43 milhões para hospitais, tendo sido responsável, por exemplo, pela compra de mais de 90 milhões de equipamentos de proteção individual para médicos e enfermeiros na linha de frente dos atendimentos nas cidades com maior incidência do coronavírus.

 

Quarentena em São Paulo completou 2 meses

Neste domingo (24/05), São Paulo completa dois meses em quarentena para conter o avanço do novo coronavírus em todo o estado. O ciclo de sessenta dias é concluído justamente em um período de maior avanço da doença em cidades do interior e praticamente 90% de ocupação dos leitos hospitalares da Grande São Paulo. As taxas do isolamento social que mal chegavam em 50% durante o mês de maio são medianas e, portanto, insuficientes para conter o impacto do vírus da forma desejada. Esse cenário levantou a possibilidade de que os paulistas teriam de passar por um período de lockdown para evitar um colapso no sistema de saúde. A medida, no entanto, divide opiniões e talvez não possa ser implantada como esperado na realidade de São Paulo.

Segundo estudos preliminares sobre a evolução das infecções por COVID-19, de autoria do economista Naercio Menezes-Filho e do pesquisador do Insper Bruno Komatsu, se a atual política de distanciamento em vigor no estado de São Paulo for mantida até fim de junho, o número de mortos por COVID-19 praticamente dobraria, avançando para mais de 11 mil, e mais do que quadruplicaria até o fim de julho, passando de 33 mil.

A OMS declarou que a América do Sul se transformou num novo epicentro da pandemia e alertou que o Brasil é país mais afetado da região. Em seu informe diário, a entidade informou que as mortes no Brasil, nas últimas 24 horas, representam um quarto do total registrado no mundo.

Caso o lockdown fosse adotado, acredita-se que pico de casos em SP ocorreria em junho e a pandemia estaria controlada em um mês. Sem essa medida, a maior possibilidade é que o pico ocorra em julho e que reflexos da pandemia sejam sentidos até o fim de 2020.

Para que a restrição ocorra conforme experimentado em outros locais do mundo, como nos Estados Unidos e na França, é preciso restringir fronteiras, monitorar constantemente a população com policiais (ou drones), estipular pagamento de multas entre outras medidas extremas de contenção, algo “impraticável” em São Paulo.

 

Máscaras enviadas à hospitais pela Prefeitura do Rio não servem para proteção médica

Funcionários do Hospital Miguel Couto, na Zona Sul do Rio, denunciaram que as máscaras N95 enviadas pela Prefeitura não têm o filtro necessário para proteger os profissionais da saúde. A Prefeitura confirmou a informação e identificou um lote que não correspondia à necessidade e que a empresa foi notificada. Os equipamentos serão substituídos, de acordo com a administração municipal.

ACOMPANHE O STATUS DO CORONAVÍRUS NO BRASIL EM TEMPO REAL

Mapa de casos no país atualizado em tempo real
Calculadora de pressão assistencial por Estado - A calculadora permite estimar a pressão assistencial esperada em função de incremento de necessidade de internações pelo COVID-19. Todos os parâmetros abaixo podem ser ajustados para melhor refletir a sua realidade local. Uma vez ajustados a simulação considera os novos parâmetros escolhidos para estimar a taxa de ocupação de leitos em cada município
Gráfico do Ministério da Saúde de casos acumulados de pessoas infectadas

LINKS RELACIONADOS

Inadimplência na capital paulista subiu para 7,35% em março - Foto: Fernanda Carvalho

FAKE NEWS

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas

TV Brasil entrevista presidente do Ibrachina

TV Brasil entrevista presidente do Ibrachina

Thomas falou sobre a importância da parceria comercial entre Brasil e China, perspectivas para o próximo governo e as oportunidades de crescimento para os dois países