21 de junho de 2020

Observatório do Coronavírus #140

Pesquisa brasileira busca desenvolvimento de tecido com propriedades antivirais para aumentar proteção contra coronavírus. Europa avança em processo de reabertura de fronteiras, enquanto impactos da pandemia crescem na América Latina

Foto de capa: AP Photo

Um projeto de pesquisa financiado pelo Edital de Inovação para a Indústria do Senai busca o desenvolvimento de um tecido de malha com propriedades antivirais que possa aumentar a proteção de máscaras e outros equipamentos de proteção individual. Tecidos desse tipo são chamados de funcionais, porque são fabricados com produtos químicos e materiais que acrescentam determinadas funções, como proteção contra raios ultravioleta ou ação antimicrobiana.

O projeto ocorre em parceria entre a empresa Diklatex, o Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil (Senai/Cetiqt) e Bio-Manguinhos, cujos laboratórios têm sido usados para a realização dos testes. O coordenador da plataforma de Fibras do Instituto SENAI de Inovação em Biossintéticos e Fibras, Adriano Passos, explicou que, além da eficácia das substâncias usadas, outras questões importantes estão sob avaliação, como a toxicidade no contato com a pele e a durabilidade após lavagens.

Foto: Claudio Furlan

A Europa prossegue com a flexibilização do confinamento, com a reabertura das fronteiras da Espanha aos europeus. A Espanha, um dos países mais afetados pelo coronavírus, suspendeu à meia-noite de sábado o alerta decretado em 14 de março e abriu a fronteira terrestre com a França – a de Portugal abrirá em 1º de julho –, assim como os portos e aeroportos aos passageiros procedentes da União Europeia. Os viajantes que chegam ao país não precisam respeitar uma quarentena, mas devem observar algumas medidas de prevenção como passar pelo controle de temperatura nos aeroportos e usar máscara. Os espanhóis também podem viajar a partir deste domingo de maneira livre dentro do país.

Foto: Jose Luis Gonzalez

Ao contrário da situação europeia, o coronavírus se propaga de maneira implacável pela América Latina. Brasil e México seguem à frente com novos recordes diários de contágios, enquanto o mundo observa com preocupação os novos focos que surgem em plena flexibilização do confinamento. Com cerca de 35 mil casos novos, o Brasil chegou a marca de 1.067.576 contágios neste sábado, dia em que foram confirmados 1.022 óbitos, elevando o total a 49.976, números que deixam o país atrás apenas dos Estados Unidos.

O México também relatou um grande número de infecções: mais de 5.000 novos casos confirmados nas últimas 24 horas, totalizando mais de 170.000 casos e 20.394 falecidos. O avanço da pandemia leva as autoridades latino-americanas a recuar em seus planos desconfinamento.

Foto: Dado Ruvic

Pesquisadores chineses começaram uma segunda fase de testes, em seres humanos, de uma possível vacina contra o novo coronavírus, para melhor avaliar sua eficácia e segurança, informou neste domingo o Instituto de Biologia Médica da Academia Chinesa de Ciências Médicas. Atualmente, mais de dez vacinas diferentes estão sendo testadas em humanos em todo o mundo. Mas, por enquanto, nenhuma dessas progrediu para a fase 3.

ACOMPANHE O STATUS DO CORONAVÍRUS EM TEMPO REAL

O gráfico oficial mais recente divulgado pelo Ministério da Saúde mostra que o número casos acumulados de pessoas infectadas pelo coronavírus no Brasil chega aos 34 mil em apenas 24 horas, em comparação com a avaliação feita no dia anterior. No site é possível ver também o número de óbitos e de pessoas recuperadas da COVID-19.
O panorama geral feito pela Universidade John Hopkins, dos EUA, mostra que foram identificados mais de 127 mil novos casos de infectados pelo coronavírus no mundo em apenas 24 horas. EUA lideram os rankings de confirmados, seguido pelo Brasil, com mais de 1 milhão casos. Em relação ao número de óbitos, o Brasil ocupa atualmente o 2º lugar no ranking mundial, com quase 49 mil óbitos.

FAKE NEWS

Diariamente o Observatório do Coronavírus publica esclarecimentos sobre as mais recentes fake news divulgadas nas redes sociais e aplicativos de mensagens. Confira:

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas