4 de julho de 2020

Observatório do Coronavírus #154

Pesquisadores brasileiros desenvolvem sistema que reconhece tosse de pacientes com Covid-19. Anvisa libera testes de vacina chinesa contra coronavírus em 5 Estados brasileiros.

Foto de capa: iStock

Pesquisadores da Fiocruz desenvolveram um sistema que usa a inteligência artificial para identificar a tosse do paciente de COVID-19. Seca ou com catarro, a tosse é uma resposta do aparelho respiratório a uma irritação. Sintoma de muitas doenças, essa expulsão brusca do ar dos pulmões produz sons diferentes. Diferenças sutis que, muitas vezes, nossos ouvidos não percebem, mas que podem ser um instrumento importante para o diagnóstico da doença. 

Pesquisadores da Fiocruz começaram a coletar registros de tosse em todo o país. É preciso reunir pelo menos 900 amostras, 300 de pacientes com COVID-19, 300 de indivíduos saudáveis e 300 de pessoas com outras doenças pulmonares. Qualquer um com mais de 18 anos pode participar da pesquisa: basta gravar com o celular ou computador o áudio da tosse e enviar pela internet.

Foto: Miguel Noronha/Futura Press/Estadão Conteúdo

A Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizou a realização de testes da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac Biotech. O pedido de liberação, feito pelo Instituto Butantan, foi anunciado pelo governador de São Paulo, João Doria, no dia 11 de junho. Em nota, a Anvisa diz que os testes devem ser desenvolvidos em diferentes locais do Brasil.

A vacina CoronaVac, produzida a partir de cepas inativadas do novo coronavírus, está na terceira fase de testes, quando a vacina já pode ser administrada a um número maior de pessoas. O estudo clínico envolverá 9 mil voluntários distribuídos nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná, além do Distrito Federal. Parte delas receberá a vacina e outro grupo deve receber um placebo, sem efeito. O objetivo é verificar se há o estímulo à produção de anticorpos para proteção contra o vírus.

Foto: Marcelo Seabra/Ag. Pará

Senadores usam seus perfis no Twitter para criticar vetos do presidente Jair Bolsonaro à lei que disciplina o uso de máscara em espaços públicos (Lei 14.019, de 2020), sancionada na sexta-feira. Com base em orientações científicas, os senadores entenderam que a medida é importante para conter o avanço do coronavírus. O presidente, no entanto, decidiu vetar vários pontos da lei, como a obrigatoriedade do uso da máscara de proteção individual em órgãos e entidades públicas e em estabelecimentos comerciais, industriais, templos religiosos, instituições de ensino e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas.

Foto: Arquivo pessoal/Soreny Cerino

Amostras de águas residuais de Florianópolis, Santa Catarina, continham vestígios de SARS-CoV-2 em 27 de novembro de 2019. Os dados são de um estudo de água de esgoto divulgado por um grupo de pesquisa da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Gislaine Fongaro, coautora do estudo, disse que vários departamentos da UFSC participaram da pesquisa, acrescentando que as pessoas podem ter sido infectadas com o novo coronavírus algumas semanas antes da coleta das amostras de águas residuais.

Foto: Taipei Songshan Airport/Reprodução/CNN Travel

Pensando nos viajantes que têm sentido falta da sensação de ir a um aeroporto, passar por todos os procedimentos de segurança e, enfim, sentar em uma aeronave, um terminal de Taiwan decidiu oferecer uma experiência diferente. Os passageiros seguem todos os trâmites de um embarque. Mas o avião não sai do chão.

A primeira “excursão” no Aeroporto Taipei Songshan, também conhecido como Aeroporto Internacional de Taipei, foi realizada na última quinta-feira. De acordo com o portal CNN Travel, outras duas já estão agendadas para hoje e terça-feira. Em cada uma, são recebidos 60 passageiros, escolhidos aleatoriamente entre 7 mil internautas que demonstraram interesse em participar da empreitada.

ACOMPANHE O STATUS DO CORONAVÍRUS EM TEMPO REAL

O gráfico oficial mais recente divulgado pelo Ministério da Saúde mostra que o número casos acumulados de pessoas infectadas pelo coronavírus no Brasil chega aos 42 mil em apenas 24 horas, em comparação com a avaliação feita no dia anterior. No site é possível ver também o número de óbitos e de pessoas recuperadas da COVID-19.
O panorama geral feito pela Universidade John Hopkins, dos EUA, mostra que foram identificados mais de 167 mil novos casos de infectados pelo coronavírus no mundo em apenas 24 horas. EUA lideram os rankings de confirmados, seguido pelo Brasil, com mais de 1,1 milhão casos. Em relação ao número de óbitos, o Brasil ocupa atualmente o 2º lugar no ranking mundial, com mais de 53 mil óbitos.

FAKE NEWS

Diariamente o Observatório do Coronavírus publica esclarecimentos sobre as mais recentes fake news divulgadas nas redes sociais e aplicativos de mensagens. Confira:

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas

Observatório do Coronavírus #235

Instituto Butantan defende vacina chinesa contra COVID-19 e garante que é a mais segura entre as que estão em desenvolvimento.