22 de julho de 2020

Observatório do Coronavírus #172

SP afirma que vacina chinesa contra o coronavírus pode ser liberada emergencialmente ainda em 2020. Instituições de ensino do RJ descartam retorno às aulas neste ano.

Foto de capa: Getty

O novo secretário de saúde do estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn disse na manhã desta quarta-feira (22) que a vacina chinesa contra o coronavírus pode ser liberada emergencialmente no fim deste ano, caso os testes com os voluntários sejam bem-sucedidos.

A terceira fase de testes no Brasil começou nesta terça (21) no Hospital das Clínicas, em São Paulo. Ao todo, 9 mil profissionais da saúde devem participar dos testes nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Brasília, esta é a terceira fase da vacina. Em São Paulo, serão testados 890 profissionais de saúde. Os voluntários serão acompanhados por uma equipe científica durante três meses. Após a aplicação da primeira dose, os voluntários receberão uma segunda dose da vacina 14 dias depois.

Foto: Fábio Guimarães

Dez instituições de ensino do RJ divulgaram uma nota que considera como “bastante improvável” o retorno das aulas presenciais ainda em 2020.  Os especialistas afirmam que a flexibilização do distanciamento social “pode resultar em um aumento de casos e, eventualmente, de óbitos”.

Eles dizem também que municípios do interior do estado não dispõem de serviços adequados para lidar com uma possível nova onda de casos de Covid. O documento cita ainda as unidades que não têm infraestrutura mínima para o retorno das aulas de forma presencial ou remota e alerta: “É fundamental que não se deixe ninguém para trás”.

Foto: Rafael Anticaglia

O presidente do Ibrachina, Thomas Law, participou de um seminário sobre cooperação internacional contra a COVID-19. O evento foi promovido pelo Consulado Geral da China do Rio de Janeiro e teve participações do subsecretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia de Minas Gerais, Juliano Alves Pinto, e do presidente da agência estadual de Promoção de Investimento e Comércio Exterior (INDI), de Thiago Toscano.

Em sua fala, Thomas Law destacou a criação da representação do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) no Brasil. “O banco é uma alternativa ao Banco Mundial e ao fundo monetário internacional e tem por finalidade promover maior cooperação financeira e desenvolvimento dos países membros. O capital inicial previsto é de US$ 50 bilhões, podendo chegar a US$ 100 bilhões”, disse Thomas. “É um banco de desenvolvimento multilateral, operado pelos estados do BRICS como uma alternativa ao Banco Mundial e ao FMI. O banco está configurado para promover uma maior cooperação financeira e de desenvolvimento entre os cinco mercados emergentes sócios”, complementou.

Foto: Pixabay

Um estudo mostra que as primeiras cepas de coronavírus na Itália não vieram da China. A avaliação de pesquisadores aponta que poderia ter havido “múltiplas introduções” do vírus e que poderia ter chegado ao território italiano da Europa Central. Numa análise aprofundada é pertinente sugerir que as primeiras cepas do novo coronavírus na Itália não vieram da China, como sugerido anteriormente. A versão pré-impressa da pesquisa foi publicada no MedRxiv.

Os cientistas analisaram “exaustivamente” 346 genomas completos do novo coronavírus e descobriram a circulação simultânea de duas principais linhagens virais na Lombardia, a região mais populosa da Itália e onde o maior número de infecções foi registrado entre fevereiro e abril de 2020.

O mais recente balanço da Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que 166 vacinas estão em desenvolvimento contra a Covid-19 em todo o mundo. Até terça-feira (21/07) ao menos 24 delas foram registradas em fase clínica, que é a etapa de teste em humanos.

Segundo a agência de saúde da ONU, de todas as vacinas em desenvolvimento, cinco já estão em sua terceira e última fase de estudo. É somente depois desta prova, em um número maior de participantes, que uma vacina pode ou não ser licenciada e liberada para a comercialização.

Uma análise feita por pesquisadores do King’s College, em Londres, identificou 6 “tipos” de Covid-19, cada um caracterizado por um conjunto específico de sintomas. A gravidade da doença e a necessidade de auxílio respiratório em caso de hospitalização variam conforme o tipo de vírus, segundo os cientistas. “Essas descobertas têm implicações importantes para o atendimento e o monitoramento das pessoas mais vulneráveis ​​à forma mais grave da Covid-19”, disse a autora do estudo, Claire Steves, do King’s College.

A equipe liderada por Steves usou dados coletados do Covid Sympston Study App, um aplicativo que permite aos usuários baixar e inserir informações sobre o coronavírus. Embora tosse persistente, febre e perda de olfato (anosmia) sejam geralmente apontados como os três principais sintomas da Covid-19, os dados dos usuários coletados do aplicativo indicam que as pessoas podem experimentar uma ampla gama de sintomas diferentes, incluindo enxaquecas, dores musculares, fadiga, diarreia, confusão, perda de apetite, dificuldades respiratórias, entre outros.

ACOMPANHE O STATUS DO CORONAVÍRUS EM TEMPO REAL

O gráfico oficial mais recente divulgado pelo Ministério da Saúde mostra que o número casos acumulados de pessoas infectadas pelo coronavírus no Brasil chega aos 41 mil em apenas 24 horas, em comparação com a avaliação feita no dia anterior. No site é possível ver também o número de óbitos e de pessoas recuperadas da COVID-19.
O panorama geral feito pela Universidade John Hopkins, dos EUA, mostra que foram identificados mais de 167 mil novos casos de infectados pelo coronavírus no mundo em apenas 24 horas. EUA lideram os rankings de confirmados, seguido pelo Brasil, com mais de 1,1 milhão casos. Em relação ao número de óbitos, o Brasil ocupa atualmente o 2º lugar no ranking mundial, com mais de 53 mil óbitos.

FAKE NEWS

Diariamente o Observatório do Coronavírus publica esclarecimentos sobre as mais recentes fake news divulgadas nas redes sociais e aplicativos de mensagens. Confira:

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas

Observatório do Coronavírus #179

Pesquisadores brasileiros descobrem como prever quais pacientes terão complicações pós-COVID-19. Ao menos 9 países já testam vacinas contra coronavírus em humanos.

Foto: Carl de Souza/AFP via Getty Images

Observatório do Coronavírus #82

China confirma bons resultados em testes de vacina contra COVID-19; Governo do Brasil anuncia novas medidas de enfrentamento ao pandemia