27 de novembro de 2020

Observatório do Coronavírus #252

Governo de SP divulga na próxima semana novo plano para frear avanço da COVID-19

Foto de capa: Xinhua

A equipe do Centro de Contingência da Covid-19 do estado de São Paulo analisa os recentes dados de avanço da doença, sobretudo o aumento de internações em hospitais da região metropolitana da capital, e prepara um plano para frear este crescimento. A nova quarentena será anunciada na segunda-feira, 30. De acordo com José Medina, coordenador do comitê, o governo do estado está em alerta e se debruçando para saber como conter esse aumento no número de internações e casos da doença.

Todas as opções estão na mesa e não está descartada a possibilidade de voltar a restringir a circulação e a abertura do comércio em algumas regiões do estado. Outro ponto que deve ser adotado é restringir atividades de lazer, sem a interrupção das aulas presenciais da rede de ensino, por exemplo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou ontem uma nota para afirmar, entre outros pontos, que a “aprovação de uma vacina pela autoridade regulatória da China não implica aprovação automática para o Brasil“.

“(…) é importante esclarecer que o reconhecimento tácito da aprovação por outras agências para registro de vacinas aqui no Brasil não é previsto em lei e pode representar risco à população brasileira”, afirmou a agência.

A nota foi divulgada pela Anvisa após entrevista de João Doria, governador de São Paulo, que afirmou que a CoronaVac poderá ser aplicada no país mesmo que não obtenha o registro da agência reguladora, desde que receba o aval de entidades de outros países.

A Rússia começou a vacinar seus militares contra o novo coronavírus, anunciou hoje o ministro da Defesa, Sergei Shoigu. O imunizante desenvolvido pelo país foi batizado de Sputnik V. No total, mais de 400 mil soldados serão vacinados nesta campanha, lançada por determinação do presidente Vladimir Putin, disse Shoigu, citado no comunicado do Exército russo.

No início de setembro, o próprio ministro disse que se vacinou com a vacina russa Sputnik V, preparada pelo centro de pesquisas Gamaleya de Moscou, em parceria com o Ministério da Defesa. Atualmente em ensaios clínicos de fase 3, a vacina russa é 95% eficaz, de acordo com seus criadores.

O presidente americano Donald Trump afirmou ontem que a distribuição da vacina contra o coronavírus nos Estados Unidos começará na semana que vem ou na próxima. A declaração foi dada em discurso às tropas americanas no exterior via chamada de vídeo para marcar o feriado de Ação de Graças. Segundo Trump, os primeiros a serem vacinados serão funcionários da linha de frente, pessoal médico e idosos.

A FDA (Food and Drug Administration), equivalente à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nos EUA, deve avaliar o pedido de uso emergencial da vacina da Pfizer-BioNTech em 10 de dezembro. Uma eventual vacinação da população só poderia começar após a aprovação pela FDA.

ACOMPANHE O STATUS DO CORONAVÍRUS EM TEMPO REAL

O gráfico oficial mais recente divulgado pelo Ministério da Saúde mostra que o número casos acumulados de pessoas infectadas pelo coronavírus no Brasil chega aos 37 mil em apenas 24 horas, em comparação com a avaliação feita no dia anterior. No site é possível ver também o número de óbitos e de pessoas recuperadas da COVID-19.
O panorama geral feito pela Universidade John Hopkins, dos EUA, mostra que foram identificados mais de 267 mil novos casos de infectados pelo coronavírus no mundo em apenas 24 horas. EUA lideram os rankings de confirmados, seguido pelo Brasil, com mais de 3,5 milhões de casos. Em relação ao número de óbitos, o Brasil ocupa atualmente o 2º lugar no ranking mundial, com quase 113 mil óbitos.

FAKE NEWS

Diariamente, o Observatório do Coronavírus publica esclarecimentos sobre as mais recentes fake news divulgadas nas redes sociais e aplicativos de mensagens. Confira:

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas