Foto: Ricardo Moraes/Reuters

12 de abril de 2020

Observatório do Coronavírus #70

Favela em SP vira exemplo em ações contra epidemia; Especialistas apontam crise comportamental, sanitária e econômica no Brasil por coronavírus

Foto de capa: Ricardo Moraes/Reuters
 

Ouça a matéria:

Uma das maiores favelas de São Paulo virou exemplo em ações que podem conter o avanço do novo coronavírus. A comunidade se organizou para tentar saber com rapidez quem tem sintomas da doença, quem precisa de ajuda e qual a situação na casa de cada família que mora no local. Um grupo de 420 moradores formou a presidência da rua, e cada um é responsável por monitorar cerca de 50 casas. A rede identificou quais são os moradores que perderam renda por causa da pandemia e estão mais necessitados. Para essas pessoas, voluntários preparam marmitas todos os dias. Há projetos de capacitação de pessoas que prestam serviço à comunidade, com apoio de empresas.

Um estudo publicado por um professor de economia do Instituto de Ensino e Pesquisa Insper afirma que a crise tripla instaurada no mundo todo, nos segmentos comportamental, sanitário e econômico, começa a refletir no Brasil. Em sua avaliação sobre as respostas dadas à pandemia, Thomas Conti avalia que o país poderia ter aproveitado a vantagem de o vírus ter se originado na Ásia para se preparar melhor, mas pecou em um ponto-chave: a comunicação honesta com a população. O professor reforçou a urgência de um alinhamento de discurso entre os governantes e destacou que as consequências no futuro dependem das decisões tomadas agora.

Segundo projeção do Banco Mundial anunciada hoje, o PIB brasileiro deve cair 5% neste ano por causa dos efeitos da epidemia na economia. Entre os que apresentariam queda mais intensa de atividade econômica neste ano estão México, Argentina e Equador, além do Brasil. Entretanto, o Banco Mundial afirma que as estimativas podem mudar diariamente a depender da evolução da crise mundial. Para 2021, a previsão atual estima alta de 1,5% para o PIB brasileiro.

Um estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas aponta que a crise da COVID-19 deixará 12,6 milhões de pessoas desempregadas no Brasil, elevando a taxa a 23,8%. O nível atual é de 11,6%. Os pesquisadores também disseram que a situação provocará a contração recorde de até 15% na renda dos trabalhadores. O levantamento afirma ainda que o prejuízo atingirá o máximo previsto caso o governo não amplie os programas de transferência de renda e de ajuda a empresas para evitar demissões em massa.

A COVID-19 tem se mostrado mais letal entre negros do que entre brancos, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde. Pretos e pardos representam quase 1 em cada 3 entre os mortos pela doença, apesar de estarem em menor número entre os registros de infectados. Com os brancos, ocorre o contrário: estão em maioria entre os hospitalizados com o vírus, mas são minoritários entre os mortos. De acordo com especialistas, esses dados refletem a 1ª onda de contaminados pelo novo coronavírus no Brasil: pessoas de alto poder aquisitivo, que viajaram para fora do país e voltaram infectados.

O novo balanço do Ministério divulgado hoje aponta que o Brasil possui 22.169 pessoas infectadas e 1.223 óbitos em todo o território nacional. A taxa de letalidade também subiu, para 5,5%.

Profissionais da rede pública de Saúde do Rio de Janeiro afirmam que estão sem equipamentos de proteção adequados para tratar dos pacientes diagnosticados com a COVID-19. Em um dos casos divulgados pela imprensa, um profissional de saúde teve que usar um saco plástico por baixo do capote para garantir a impermeabilidade do material em uma UTI. Ainda segundo as denúncias, médicos e enfermeiros de algumas entidades receberam equipamentos de proteção individual que não são adequados para todos os atendimentos. O Estado do Rio de Janeiro tem hoje mais de 2.800 casos confirmados e 170 mortes.

A Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo afirmou ontem que pretende zerar a demanda reprimida de testes para coronavírus que aguardam resultado em duas semanas. O governo diz que, para analisar a demanda reprimida de testes, formou uma rede de 45 laboratórios públicos e privados que, quando estiver em plena capacidade, poderá analisar 8 mil amostras por dia. A rede está sendo coordenada pelo Instituto Butantã.

Após a prorrogação da quarentena em SP decretada pelo governador João Doria, manifestantes ocuparam ruas da capital paulista com seus carros para protestar contra as medidas de isolamento social. O protesto foi convocado pelo WhatsApp e começou em frente ao Ginásio do Ibirapuera, local que irá abrigar o terceiro hospital de campanha da cidade e seguiu até a Avenida Paulista. Em determinado momento, o grupo chegou a bloquear a passagens de ambulâncias pela via. A manifestação foi exaltada pelo presidente Jair Bolsonaro, que descreveu o ato como uma reação ao desemprego.

ACOMPANHE O STATUS DO CORONAVÍRUS NO BRASIL EM TEMPO REAL

Mapa de casos no país atualizado em tempo real
Calculadora de pressão assistencial por Estado - A calculadora permite estimar a pressão assistencial esperada em função de incremento de necessidade de internações pelo COVID-19. Todos os parâmetros abaixo podem ser ajustados para melhor refletir a sua realidade local. Uma vez ajustados a simulação considera os novos parâmetros escolhidos para estimar a taxa de ocupação de leitos em cada município

LINKS RELACIONADOS

Um depósito secreto da Finlândia, em foto cedida pelo Centro Nacional de Abastecimento de Emergência da Finlândia
Um depósito secreto da Finlândia, em foto cedida pelo Centro Nacional de Abastecimento de Emergência da Finlândia

FAKE NEWS

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas

Observatório do Coronavírus #102

França e Itália anunciam pacotes bilionários para estímulo da economia e do turismo; SP inaugura hospital de campanha em Heliópolis na semana que vem