3 de maio de 2020

Observatório do Coronavírus #91

Imprensa internacional aponta o Brasil como novo epicentro global da pandemia; Número de infectados se aproxima dos 3,5 milhões em todo o mundo

Foto de capa: Fernando Souza / El País

Ouça a matéria:

O Brasil pode ser o próximo epicentro da pandemia do novo coronavírus. A afirmação foi feita pela imprensa internacional com base no sistema de saúde precário do país, da baixa adesão às medidas de isolamento social e dos números de contágios e mortes subestimados pelo governo federal. 

De acordo com a reportagem da agência AFP, publicada em veículos franceses e distribuída para todo o mundo, “o Brasil parece condenado a se tornar o próximo epicentro da crise planetária do coronavírus”, ao registrar “uma velocidade galopante” na propagação de casos.

Domingos Alves, do Laboratório de Informações sobre a Saúde da USP, confirma a teoria da agência. O coletivo de pesquisadores Covid-19 Brasil, do qual Alves faz parte, estima que o número real de novos casos registrados no Brasil é 16 vezes superior ao divulgado pelo Ministério da Saúde. Atualmente, o país é o segundo do mundo com o maior número de novos casos, atrás apenas dos Estados Unidos.

O último boletim do Ministério da Saúde informou que o número de mortes de pacientes infectados pelo novo coronavírus subiu para 6.750 em 24 horas. Os casos confirmados da COVID-19 saltaram para 96.559. Foram mais 4.970 casos em 24 horas, um acréscimo de 5%.

Dezessete estados e o Distrito Federal anunciaram nesta semana a ampliação do isolamento social no mês de maio com o objetivo de conter o avanço do coronavírus.

Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Pará, Paraíba , Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe estenderam as restrições de acesso a escolas, comércio e outros locais públicos.

Além dos citados acima, a Região Metropolitana de São Luís, no Maranhão, será o primeiro local no Brasil a adotar o lockdown. A duração da medida está prevista para dez dias, a partir da próxima terça-feira (5/5). Após o anúncio do bloqueio total, moradores lotaram vários supermercados na Grande Ilha de São Luís, que abrange as cidades de Paço do Lumiar, Raposa, São José de Ribamar e São Luís. A correria pelas compras aconteceu mesmo quando o governador maranhense Flávio Dino declarou que os serviços essenciais serão mantidos e que os supermercados não vão fechar. O governo também já afirmou outras vezes que não há risco de desabastecimento.

O ministro da Saúde, Nelson Teich, esteve em Manaus, no Amazonas, neste domingo para acompanhar a situação de enfrentamento ao coronavírus no local. O Estado é um dos mais afetados pela pandemia e aparece em 5º lugar no ranking brasileiro, com 501 mortes e 6.062 casos. O sistema de saúde do Estado vem sofrendo forte estresse com o número de doentes e internados devido ao vírus e está prestes a colapsar.

 

Domingo foi marcado por manifestações contra a quarentena no Brasil

Um grupo de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro se aglomerou em meio à Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na manhã deste domingo para pedir o fim do isolamento social instituído para combater a pandemia no país, e protestar contra ministros do STF e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Eles receberam um aceno do presidente Jair Bolsonaro, que desceu a rampa do Palácio do Planalto e realizou uma live.

Desde o início da pandemia, o presidente minimiza a doença, diz que não se trata de nada grave e insiste em convencer as pessoas a irem para a rua, uma posição que seu próprio Ministério da Saúde, além de autoridades e especialistas do Brasil e do mundo, rejeitam duramente.

 

87,5% dos novos casos de COVID-19 no Paraguai foram importados do Brasil

O Paraguai voltou a registrar aumento nos novos casos diários de novo coronavírus, após sucessivas quedas. Segundo o Ministério da Saúde paraguaio, 87,5% dos diagnósticos registrados nos últimos dois balanços diários são de pessoas que estiveram no Brasil.

De acordo com balanço de ontem, o Paraguai registrou 37 novos casos de COVID-19. 

Desses, 28 pacientes vieram do Brasil, e estão em quarentena obrigatória determinada pelo governo paraguaio. Na véspera, dos 67 novos registros, 63 eram de pessoas que estiveram em território brasileiro. 

Segundo o jornal “ABC Color”, a maioria dos casos é de paraguaios que já estavam em quarentena ao voltar do Brasil. As fronteiras do Paraguai estão fechadas desde 24/3, e somente cidadãos do país em viagem de retorno são aceitos.

 

Coronavírus no mundo

O número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus se aproxima dos 3,5 milhões em todo o mundo. Os dados são da Universidade John Hopkins, que faz um acompanhamento diário desde o início da pandemia. 

Italianos contam as horas para retornar gradualmente às ruas do país nesta segunda-feira (4/5), quando o governo começa a flexibilizar as regras de confinamento após dois meses de quarentena para conter o avanço do novo coronavírus. Parques e jardins públicos devem abrir amanhã para caminhadas e passeios de bicicleta ou com crianças, mas os cidadãos terão de manter distanciamento de um metro uns dos outros e evitar piqueniques e playgrounds.

O relaxamento do isolamento social acontece depois do país registrar nova alta no número de óbitos em decorrência da doença. Em seu balanço diário sobre a epidemia de coronavírus, o governo italiano anunciou 474 novas mortes no país. Com os novos registros, a Itália tem um total de 28.710 mortes pela Covid-19 e continua sendo o país mais afetado pela doença da Europa.

Com 621 novas mortes, o Reino Unido passa de 28 mil óbitos por COVID-19 e torna-se o segundo mais afetado pela pandemia no continente europeu, ultrapassando a Espanha. Sábado (2/5) foi o segundo dia consecutivo que foram realizados mais de 100 mil exames, mantendo assim os objetivos das autoridades britânicas. A vice conselheira médica da Inglaterra, Jenny Harries, explicou que o número de pacientes internados no país neste fim de semana caiu 13%, na comparação com a semana passada.

Os Estados Unidos registraram 1.435 novas mortes por COVID-19 em 24 horas elevando o número de mortes pelo vírus no país para mais de 66 mil. Apesar dos números altos no país, o fim de semana ensolarado levou centenas de pessoas a áreas públicas, como o Central Park, desafiando as medidas de restrição e os apelos do prefeito Bill de Blasio para que o isolamento social seja mantido em Nova York.

 

Política de Trump pode ampliar espaço para que a China conquiste influência mundial

Antes da chegada do coronavírus, o mundo acompanhava uma disputa comercial e tecnológica entre as duas maiores economias. Agora, quando se fala no desenho de forças no cenário pós-pandemia, a grande pergunta é se a China vai superar os Estados Unidos como liderança global. 

Um levantamento da BBC News Brasil consultou especialistas em relações internacionais para explicar as expectativas em relação à ordem mundial pós-pandemia. Eles apontam que a crise está acelerando tendências geopolíticas que se desenhavam antes do coronavírus, como o fato de que Washington já se distanciava da liderança global.

De acordo com a conselheira sênior do diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, Tatiana Prazeres, os EUA estão mais autocentrados e menos dispostos a liderar uma resposta internacional para a pandemia, o que abre espaço para o avanço dos chineses.

O ex-embaixador do Brasil em Washington, Rubens Barbosa, concorda que “é a atitude de Trump em relação às políticas que abre espaço para a China” e aponta que elas contrariam a tradição do país no pós-guerra, citando o Plano Marshall, que foi o projeto estadunidense de reconstrução de países europeus aliados depois da Segunda Guerra Mundial.

Até agora, o ex-embaixador diz que a China tem demonstrado mais força no cenário internacional. “Apesar das críticas, apesar da vulnerabilidade, apesar de cair o crescimento da China, eu acho que a China hoje está melhor preparada que os Estados Unidos para emergir mais forte.”

ACOMPANHE O STATUS DO CORONAVÍRUS NO BRASIL EM TEMPO REAL

Mapa de casos no país atualizado em tempo real
Calculadora de pressão assistencial por Estado - A calculadora permite estimar a pressão assistencial esperada em função de incremento de necessidade de internações pelo COVID-19. Todos os parâmetros abaixo podem ser ajustados para melhor refletir a sua realidade local. Uma vez ajustados a simulação considera os novos parâmetros escolhidos para estimar a taxa de ocupação de leitos em cada município
Gráfico do Ministério da Saúde de casos acumulados de pessoas infectadas e óbitos

LINKS RELACIONADOS

Para a antropóloga Mirian Goldenberg, a pandemia fortaleceu preconceitos e violências contra os mais velhos - Foto: BBC
Para a antropóloga Mirian Goldenberg, a pandemia fortaleceu preconceitos e violências contra os mais velhos - Foto: BBC

FAKE NEWS

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas

Agente de saúde se emociona ao abraçar colega após fim de isolamento em Wuhan Foto: Aly Song/Reuters

Observatório do Coronavírus #66

Isolamento de Wuhan, epicentro do surto do novo coronavírus, chega ao fim; Ministro da Saúde garante apoio da China para combate à epidemia no Brasil

Observatório do Coronavírus #251

Ministério da Saúde prepara plano de imunização contra COVID-19. OMS afirma que Europa enfrentará 3ª onda da pandemia em 2021.