6 de maio de 2019

Os 120 anos do Picasso chinês, Chang Dai Chien

Conhecido como o Picasso de Mogi das Cruzes, Chang Dai Chien viveu quase duas décadas no Brasil e ficou conhecido como um dos dez artistas mais expressivos do mundo. Morando em uma bela propriedade no interior de São Paulo, o artista costumava se inspirar nos lagos, pontes, jardins e esculturas naturais que ele mesmo construiu no distrito de Taiaçupeba.

Chang Dai-chien – Snowclad Mount Emei (1946)

Nascido em uma família de artistas em Neijiang, Sichuan, China, Chang começou estudando técnicas para tingir tecidos em Kyoto, no Japão. Foi em Shanghai que sua carreira prosperou. A pedido do governador de Qinghai, Ma Bufang, ele foi enviado para trabalhar e estudar a arte budista.

Em uma viagem às pouco exploradas cavernas de Dunhuang, o pintor teve contato com inúmeras obras de arte desconhecidas pela civilização até o ano de 1900. Encantado com as 2 mil estátuas, esculturas e mais de 50 mil documentos históricos, Chang decidiu estudar pinturas coloridas feitas a partir de técnicas e cores abandonadas pela sua cultura.

Chang Dai-chien – Empty Valley and Claudy Peaks (1945)

Com a Revolução Chinesa, o artista decide mudar-se para Hong Kong e posteriormente para Darjeeling (Índia). Na década de 50, se instala em Mogi das Cruzes com família e filhos. Era comum vê-lo passear pela cidade com roupas típicas, longas barbas e um cajado. Sua figura tornou-se histórica na cidade, especialmente por estar sempre carregando um macaco (gibão) nos ombros.

Chang Dai-chien e sua esposa, Hsu Wen-po. (Foto: reprodução)

Com ajuda do governo chinês cria o famoso Jardim das Oito Virtudes (Bade Yuan) e constrói um lago cheio de ornamentos com cinco pavilhões (Wu Ting Hu) em sua propriedade.

Chang ficou famoso por suas pinturas no estilo guohua, mas em meados da década de 60, experimenta o estilo xieyi até chegar a uma técnica autoral completamente diferente. Foi nos Estados Unidos que o pintor teve sua última residência.

O artista chegou a se reunir com Picasso em Antibes (França) no ano de 1953, marcando um momento histórico de encontro dos mestres da arte ocidental e oriental.

Saiba mais sobre cultura chinesa e siga o Ibrachina nas redes sociais.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas

Foto: Rogério Santana

Observatório do Coronavírus #116

Rio de Janeiro inaugura em São Gonçalo o 4º hospital de campanha do Estado; Metade dos pacientes infectados do ES tiveram alta hospitalar

Foto de capa: Prefeitura de Foz do Iguaçu

Observatório do Coronavírus #115

Embaixada da China no Brasil e Ibrachina doam EPIs para a Prefeitura de Foz do Iguaçu; SP prorroga quarentena com flexibilizações progressivas