Foto: Reuters

5 de junho de 2020

People’s Daily rebate 24 alegações difamatórias feitas por autoridades norte-americanas sobre a China

EUA acusam o gigante asiático de ter fabricado o novo coronavírus em laboratório, de ter escondido do resto do mundo informações sobre a pandemia, entre outras alegações

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, afirmou o último domingo (24/05) que os Estados Unidos estão levando as relações com o país asiático ao limite de um conflito do pós Segunda Guerra Mundial, em que a União Soviética era pivô da inimizade com os americanos. As relações entre China e EUA, que já eram ruins antes da pandemia, com guerra comercial intensa, pioraram depois da propagação do novo coronavírus. O presidente americano, Donald Trump, atacou o país asiático, o acusando de criar em laboratório o patógeno e esconder informações.

O jornal chinês People Daily rebateu 24 alegações difamatórias feitas por autoridades norte-americanas sobre a China. Acompanhe:

Realidade: A OMS deixou claro que a nomeação de uma doença não deve ser associada a um país ou local específico.

Em colaboração com a Organização Mundial de Saúde Animal e a Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas, a OMS identificou as melhores práticas para a nomeação de novas doenças infecciosas humanas em 8 de maio de 2015, valendo-se de lições sobre como nomear doenças infecciosas aprendidas no passado, especialmente depois dos enormes impactos negativos causados ​​pela nomeação da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) em 2012. De acordo com essas diretrizes, a nomeação de uma doença deve evitar localizações geográficas, nomes de pessoas, classe de animal ou alimento, cultura, população, referências profissionais ou da indústria, e termos que incitam medo indevido.

Em 11 de fevereiro de 2020, a OMS nomeou oficialmente a pneumonia causada por novos coronavírus como Coronavirus Disease 2019 (COVID-19), com base nas Melhores Práticas para a Denominação de Novas Doenças Infecciosas Humanas de 2015, bem como nas práticas internacionais de saúde pública.

Em abril passado, a revista científica britânica Nature publicou três editoriais, pedindo desculpas por conectar o COVID-19 a Wuhan e China. Ele pedia uma interrupção imediata do estigma do coronavírus e do ato irresponsável de associar um vírus a um local específico.

O New York Times, a American Broadcasting Company (ABC), a British Broadcasting Corporation (BBC) e outra grande mídia do Ocidente relataram que a conexão indevida das comunidades asiáticas com o COVID-19 provocava séria xenofobia e ocorrências freqüentes de discriminação racista e assédio contra essas comunidades nos EUA.

Realidade: Ser o primeiro a denunciar o vírus não significa que Wuhan seja sua origem. De fato, a origem ainda não foi identificada. O rastreamento da fonte é um assunto científico sério, que deve basear-se na ciência e deve ser estudado por cientistas e especialistas médicos.

Historicamente, o local que primeiro denunciou um vírus muitas vezes não era sua origem. Por exemplo, a infecção pelo HIV foi relatada pela primeira vez pelos EUA, mas também pode ser possível que o vírus não tenha vindo originalmente dos EUA. E mais evidências provam que a gripe espanhola não se originou da Espanha.

O rastreamento da fonte é uma questão científica. Seu principal objetivo é impedir que epidemias semelhantes ocorram novamente e causem danos à sociedade humana. No momento, cientistas de todo o mundo estão procurando a fonte do vírus e apresentaram muitas opiniões acadêmicas sobre o vírus. Os cientistas chineses também estão realizando diligentemente estudos para fornecer a base científica para identificar a origem em uma data precoce e lidar com o vírus com medidas direcionadas.

Em 24 de janeiro, a renomada revista médica britânica The Lancet publicou um artigo de co-autoria de Cao Bin, diretor do Departamento de Medicina Pulmonar e Cuidados Críticos do Hospital da Amizade China-Japão, Huang Chaolin, vice-presidente e médico-chefe do Hospital Jinyintan de Wuhan, professor Li Xingwang, especialista do Centro Clínico e de Pesquisa de Doenças Infecciosas do Hospital Ditan de Pequim, professor Ren Lili, especialista do Instituto de Biologia de Patógenos da Academia Chinesa de Ciências Médicas, Zhao Jianping, diretor do Departamento de Respiração Medicina do Hospital Tongji de Wuhan, entre outros.

O artigo analisa os primeiros 41 casos confirmados de COVID-19 admitidos no hospital em Wuhan entre 16 de dezembro de 2019 e 2 de janeiro de 2020. Constata que 27 dos 41 pacientes haviam sido expostos ao mercado de frutos do mar de Huanan. A data de início dos sintomas do primeiro paciente identificado foi em 1 de dezembro de 2019. Nenhum dos membros de sua família apresentou febre ou sintomas respiratórios. Este paciente não teve exposição ao mercado de frutos do mar de Huanan. Não foi encontrado vínculo epidemiológico entre ele e os casos posteriores.

Os vírus são o inimigo comum da humanidade, que podem aparecer a qualquer momento e em qualquer lugar. As epidemias são de origem natural, não provocadas pelo homem. A origem de um vírus ou epidemia é uma vítima, não um culpado. É injusto e inaceitável culpá-lo ou responsabilizá-lo.

Em 1º de maio, o Dr. Michael Ryan, diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS, disse que a ciência precisa estar no centro da exploração da fonte do vírus. Ele também afirmou que a OMS não recebeu nenhum dado ou evidência específica do governo dos EUA relacionada à suposta origem do vírus.

Michael Melham, prefeito de Belleville, Nova Jersey, disse ter testado positivo para anticorpos contra o coronavírus e achava que já poderia estar com o vírus em novembro de 2019. Isso aconteceu mais de dois meses antes do primeiro caso relatado nos EUA em 20 de janeiro de 2020.

Em 6 de maio, o USA Today informou que 171 pessoas na Flórida apresentavam sintomas do COVID-19 em janeiro de 2020, e nenhuma relatou viajar para a China. Isso aconteceu meses antes das autoridades anunciarem o surto na Flórida.

Em 3 de maio, o International Journal of Antimicrobial Agents publicou um artigo intitulado “SARS-COV-2 já estava se espalhando na França no final de dezembro de 2019”. De acordo com o artigo, os pesquisadores revisaram o prontuário médico de 14 pacientes selecionados em UTI admitidos por doença semelhante à influenza entre 2 de dezembro de 2019 e 16 de janeiro de 2020 e realizaram retrospectivamente a reação em cadeia da polimerase com transcrição reversa por COVID-19 (RT-PCR) entre 6 e 9 de abril de 2020. Verificou-se que uma amostra foi positiva, de um homem de 42 anos. A ausência de um vínculo com a China e a falta de viagens recentes ao exterior sugerem que a doença já estava se espalhando entre a população francesa no final de dezembro de 2019.

Realidade: Todas as evidências disponíveis mostram que o SARS-CoV-2 tem origem natural, não artificial.

Em 30 de janeiro, a The Lancet publicou um artigo sobre COVID-19 por equipes de pesquisa, incluindo a China CDC, que considerava o organismo um novo coronavírus que infecta humanos, com base na análise filogenética dos dez genomas de 2019-nCoV sequenciais de nove pacientes de Wuhan. O artigo apontou que, em comparação com o SARS-CoV e o MERS-CoV, o 2019-nCoV estava mais relacionado a dois coronavírus semelhantes à síndrome respiratória aguda grave (SARS) derivada de morcegos. A análise sugere que os morcegos podem ser o hospedeiro original desse vírus.

Em 19 de fevereiro, a The Lancet publicou uma declaração conjunta de 27 especialistas médicos de oito países, indicando que cientistas de vários países publicaram e analisaram genomas de SARS-CoV-2, e concluem de forma esmagadora que esse coronavírus se originou na vida selvagem, como tantos outros patógenos emergentes.

Em 17 de março, cinco especialistas dos EUA, Reino Unido e Austrália apontaram na Nature Medicine evidências que o SARS-CoV-2 não é uma construção de laboratório ou um vírus propositadamente manipulado.

Em 26 de março, Francis Collins, diretor do Instituto Nacional de Saúde dos EUA (NIH), apontou que o novo coronavírus surgiu naturalmente. Os pesquisadores descobriram que o vírus não poderia ter sido produzido pelo homem, pois não possui uma espinha dorsal dos coronavírus conhecidos. Em vez disso, provavelmente evoluiu de um coronavírus de morcego e um novo vírus encontrado em pangolins. Não é o produto de manipulação intencional em laboratório.

Em 21 de abril, a porta-voz da OMS, Fadela Chaib, disse em uma entrevista coletiva que todas as evidências disponíveis sugerem que o vírus tem origem animal e não é manipulado ou construído em laboratório ou em outro local. Provavelmente tem seu reservatório ecológico em morcegos, mas como o vírus veio de morcegos para humanos ainda está para ser visto e descoberto.

Em 30 de abril, o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional dos EUA emitiu uma declaração em seu site oficial, deixando claro que a Comunidade de Inteligência concorda com o amplo consenso científico de que o vírus COVID-19 não foi fabricado pelo homem ou geneticamente modificado.

O diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS, Michael Ryan, disse em 1º de maio que cientistas analisaram a sequência do genoma desse vírus e temos certeza de que esse vírus é de origem natural.

O representante da OMS na China, Dr. Gauden Galea, disse em 5 de maio que todas as evidências disponíveis até o momento sugerem que o vírus tem origem animal natural e não é um vírus manipulado ou construído. Muitos pesquisadores conseguiram analisar as características genômicas do vírus e descobriram que os boatos de que se trata de uma construção de laboratório não se sustentam.

O semanário de notícias francês Valeur Actuelle citou informações das autoridades de inteligência do país que afirmam que é absolutamente certo que o novo coronavírus não é um vazamento de um laboratório P4 em Wuhan.

Realidade: O Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan (Laboratório Wuhan P4) é um programa de cooperação governamental entre a China e a França. O Instituto não tem a capacidade de projetar ou sintetizar um novo coronavírus, e não há evidências de vazamentos de patógenos ou infecções da equipe no Instituto.

O Laboratório Wuhan P4 é um programa de cooperação governamental entre China e França. Seu design, construção e gerenciamento seguem os padrões internacionais de operações protegidas por instalações especiais e protocolos rigorosos. Toda a equipe do laboratório deve passar nos testes relevantes para obter a qualificação e o primeiro grupo recebeu treinamento em outros laboratórios P4 na França e na América. O laboratório deve ter suas instalações e equipamentos examinados anualmente por uma agência terceirizada credenciada pelo governo e só pode continuar a operar depois de passar nas inspeções anuais.

O Instituto de Virologia de Wuhan está comprometido com o compartilhamento oportuno e aberto de informações de pesquisa por meio do compartilhamento de dados, publicação de artigos, participação em seminários e conferências e promoção da ciência entre o público em geral. No último ano, o Instituto recebeu visitas de mais de 70 pesquisadores e acadêmicos de outras partes do mundo. Como uma das dezenas de laboratórios P4 do mundo, o Instituto busca uma visão global de desenvolvimento, mantém os princípios de ser aberto e transparente para todos e promove o intercâmbio e a cooperação com todos os países de maneira ativa e pragmática. Até o momento, o “2019 Novel Coronavirus Resource (2019nCoVR)”, uma plataforma de compartilhamento de informações do IVW, registrou até agora mais de 600.000 visitas e 21 milhões de downloads.

As operações do laboratório Wuhan P4 sempre foram seguras e estáveis. Não havia SARS-CoV-2 no laboratório até 30 de dezembro de 2019, quando as primeiras amostras de pacientes COVID-19 foram entregues para testes três dias depois que o governo local recebeu os primeiros relatórios do vírus. Até o momento, ninguém no IVW foi infectado pelo COVID-19.

Um funcionário do escritório do presidente francês disse em meados de abril que “não existe até hoje nenhuma evidência factual vinculando as origens do COVID-19 e do trabalho do laboratório P4 de Wuhan, na China.”

De acordo com um artigo recente publicado pela NPR em seu site, muitos pesquisadores especialistas em vírus dos EUA concluíram, com base em seus estudos, que virtualmente não há chance de o novo coronavírus ter sido lançado como resultado de um acidente de laboratório na China ou em qualquer outro lugar. Em vez disso, eles acreditam que esse novo coronavírus chegou aos seres humanos da mesma maneira que outros coronavírus.

Peter Daszak, presidente da Aliança de Eco-Saúde dos EUA e especialista em vírus que trabalha com a IVW há 15 anos, disse durante sua entrevista à CNN em 26 de abril que o Laboratório Wuhan P4 não possuía o vírus que levou ao COVID-19, e o que foi encontrado agora são parentes próximos, não o mesmo vírus. Portanto, não é possível que o vírus tenha vindo desse laboratório.

Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, disse em entrevista à National Geographic publicada em 4 de maio que a melhor evidência mostra que o vírus não foi produzido em um laboratório na China. Se você observar a evolução do vírus nos morcegos e o que está por aí agora, o vírus não poderia ter sido artificial ou deliberadamente manipulado. Este vírus evoluiu na natureza e depois saltou espécies. Com base nas evidências científicas, ele não considera a teoria de que alguém encontrou o coronavírus na natureza, o levou a um laboratório e depois escapou acidentalmente.

De acordo com o The Independent, o secretário de saúde britânico Matt Hancock disse em uma entrevista ao Sky News em 6 de maio que o governo britânico não viu nenhuma evidência para sugerir que o novo coronavírus fosse produzido pelo homem. Ele acrescentou que “não vimos nenhuma evidência de ligação (entre o vírus e os laboratórios que pesquisam vírus em Wuhan)”.

Os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH) anunciaram em 24 de abril que encerraram um estudo conjunto sobre a transmissão de vírus morcego-humano entre a agência sem fins lucrativos EcoHealth Alliance e o IVW, e retiraram todo o financiamento futuro. O NIH tomou essa decisão apenas sete dias depois que o presidente Trump exigiu o fim de uma subvenção ao IVW durante sua conferência de imprensa de 17 de abril, com base em alegações de que “o vírus escapou do laboratório”. Esta decisão foi amplamente questionada e criticada pela comunidade científica dos EUA. Gerald Keusch, vice-chefe do Laboratório Nacional de Doenças Infecciosas Emergentes da Universidade de Boston, chamou de “um precedente horrível” e “o pior tipo de coisa que a interferência política pode causar”, enquanto Dennis Carroll, presidente do Global Virome Project, o descreveu. como uma tentativa do governo Trump de “atacar a ciência realmente crítica por ganhos políticos baratos”.

Realidade: A China tomou as medidas mais rigorosas no menor tempo possível, o que manteve o vírus em grande parte dentro de Wuhan. As estatísticas mostram que muito poucos casos foram exportados da China.

O governo chinês tomou as medidas mais abrangentes, rigorosas e completas em tempo hábil e rompeu efetivamente a cadeia de transmissão. Segundo um relatório da Science, graças a essas medidas, o número de infecções na China foi reduzido em mais de 700.000.

A China colocou Wuhan sob um bloqueio temporário a partir de 23 de janeiro, o que significa que não houve voos comerciais ou serviços de trem de saída de 24 de janeiro a 8 de abril. Portanto, era impossível para os residentes de Wuhan viajar para o exterior durante esse período de tempo.

Quando Wuhan foi encerrado em 23 de janeiro, apenas um caso foi confirmado publicamente nos EUA. Quando os EUA fecharam suas fronteiras em 2 de fevereiro para todos os cidadãos e estrangeiros chineses que estiveram na China nos últimos 14 dias, houve apenas oito casos confirmados nos EUA, de acordo com seus dados oficiais. Quando os EUA declararam uma emergência nacional em 13 de março, o número de casos confirmados foi de 1.896. Quando a China suspendeu o bloqueio em Wuhan em 8 de abril, o número de casos confirmados nos EUA subiu para 400.000. Atualmente, os casos confirmados nos EUA ultrapassaram 1,2 milhão, com mais de 70.000 mortes até agora. Olhando para trás, levou menos de 100 dias para o número de casos confirmados aumentar de um para um milhão nos Estados Unidos.

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, apontou para uma pesquisa da Northeastern University que mostra que as cepas do novo coronavírus que entraram em seu estado não eram da China. O New York Times citou uma pesquisa nos EUA que a maioria dos casos de coronavírus de Nova York não veio da Ásia.

Dados das principais províncias do Canadá  mostram que o vírus foi trazido para o país por visitantes dos EUA. O instituto de pesquisa francês Institut Pasteur descobriu que a cepa do vírus que circula localmente na França é de origem desconhecida. Nenhum dos casos importados na Rússia era da China. O Departamento de Saúde da Austrália observou que apenas uma parcela muito pequena de casos importados veio do nordeste da Ásia. Em Cingapura, os casos importados da China eram menos de um décimo dos de outros países. O Instituto Nacional Japonês de Doenças Infecciosas acreditava que a cepa confirmada no Japão desde o início de março não era da China.

 

Realidade: Morcegos nunca fizeram parte da dieta chinesa.

O vídeo que circula na internet no qual uma chinesa bebe sopa de morcego fazia parte de um programa de promoção de viagens filmado por sua equipe em uma pequena ilha do Pacífico em 2016, e foi publicado naquele ano. A sopa de morcegos era uma especialidade local.

Os morcegos nunca fizeram parte dos pratos chineses. O mercado de frutos do mar de Wuhan Huanan, onde foram identificados casos de grupos nos primeiros dias da epidemia, não vende morcegos.

Realidade: Não existem chamados “mercados úmidos para animais selvagens” na China. A China aprovou uma legislação que proíbe toda a caça ilegal e o comércio de animais selvagens.

Em 24 de fevereiro de 2020, o Comitê Permanente do Congresso Nacional Popular da China adotou uma decisão sobre a proibição completa do comércio ilegal de animais silvestres e a eliminação do consumo de animais selvagens para proteger a vida e a saúde das pessoas. Isso estabeleceu ainda o regime de proibição completa da caça, comércio e transporte de animais selvagens terrestres para fins de consumo. A decisão legislativa foi bem-vinda pelo World Wildlife Fund (WWF).

A venda de animais selvagens é ilegal na China. Tal ato será imediatamente interrompido, uma vez descoberto, e será punido de acordo com a lei.

Não existem os chamados “mercados úmidos da vida selvagem” na China. E, de fato, a China nem sequer tem o conceito de “mercados úmidos”. O que existe na China são mercados de agricultores e mercados de aves e frutos do mar. Eles vendem peixe fresco, carne, legumes, frutos do mar e outros produtos agrícolas. Alguns deles vendem aves vivas. Basicamente, eles não são diferentes dos mercados de peixe ou frutas e legumes nos países ocidentais. Esses mercados existem não apenas na China, mas também em muitos outros países. Eles são uma parte importante da vida local. Nenhuma lei internacional restringe a abertura ou operação de tais mercados. O que foi reaberto em Wuhan são os mercados tradicionais desses agricultores.

A pesquisa mostrou uma homologia extremamente baixa entre o COVID-19 e os coronavírus conhecidos em animais e aves. Com base em tal entendimento científico, e levando em consideração a necessidade das pessoas por produtos avícolas e frutos do mar, a China permitiu a reabertura desses mercados em locais onde medidas de contenção sonoras estão em vigor como pré-requisito. A China atribui grande importância à prevenção de epidemias. Como salvaguardas às autoridades competentes e os governos subnacionais adotaram uma série de medidas rigorosas para fortalecer a gestão desses mercados. Governos subnacionais, operadores de mercado e fornecedores são obrigados a cumprir com sinceridade suas respectivas responsabilidades e garantir que protocolos anti epidêmicos rigorosos sejam devidamente aplicados nesses mercados.

As autoridades relevantes também, de acordo com a lei da China sobre prevenção de epidemias de animais, realizaram quarentena e verificação de produtos de aves e frutos do mar vivos e implementaram rigorosamente todas as medidas de prevenção e controle contra epidemias de animais.

Dada a situação atual em Wuhan, Hubei, o mercado de frutos do mar de Huanan permanece fechado.

 

Realidade: Houve um ataque inesperado por um vírus desconhecido contra seres humanos, evento que demanda tempo para ser estudado. A China forneceu informações ao mundo de maneira aberta, transparente e responsável.

Em 27 de dezembro de 2019, o Dr. Zhang Jixian, diretor do departamento de medicina respiratória e de cuidados intensivos do Hospital Provincial de Medicina Chinesa e Ocidental da Província de Hubei, relatou três casos de pneumonia de causa desconhecida imediatamente após o recebimento dos pacientes. Este foi o primeiro relato de casos suspeitos de uma nova doença pelas autoridades locais da China. No mesmo dia, o CDC de Wuhan conduziu investigações e testes epidemiológicos nos pacientes em questão.

Em 30 de dezembro de 2019, a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan emitiu dois avisos de emergência sobre a notificação e o tratamento de pneumonia de causa desconhecida.

Em 31 de dezembro de 2019, a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan divulgou um relatório de situação sobre pneumonia de causa desconhecida em Wuhan. No mesmo dia, a China informou o Escritório Nacional da OMS na China sobre casos de pneumonia de causa desconhecida detectada em Wuhan.

Em 3 de janeiro de 2020, a China começou a enviar atualizações regulares e oportunas sobre o novo coronavírus para a OMS, outros países, incluindo os Estados Unidos, e as regiões da China em Hong Kong, Macau e Taiwan. Entre 3 de janeiro e 3 de fevereiro, a China atualizou os EUA 30 vezes sobre a situação epidêmica e suas medidas de resposta.

Após a primeira notificação pública da pneumonia pela Comissão Municipal de Saúde de Wuhan em 31 de dezembro de 2019, a China concluiu a identificação e o sequenciamento do vírus em 7 de janeiro de 2020 e compartilhou as informações da sequência do genoma com a OMS e outros países em 11 de janeiro. Em 10 de janeiro, o Instituto Wuhan de Virologia da Academia Chinesa de Ciências e outras instituições profissionais desenvolveram kits preliminares de testes e intensificaram a pesquisa sobre vacinas e medicamentos eficazes. Em 20 de janeiro, a Comissão Nacional de Saúde designou a nova pneumonia por coronavírus como uma doença infecciosa estatutária. Em 24 de janeiro, os casos do COVID-19 começaram a ser relatados diretamente online.

Ao contrário das medidas de resposta da China, o governo dos EUA não declarou uma emergência nacional até 13 de março, 70 dias após a notificação pela China do novo vírus em 3 de janeiro de 2020, 40 dias após o fechamento de suas fronteiras em 2 de fevereiro a todos Cidadãos chineses e estrangeiros que viajaram pela China em 14 dias.

Em 1º de maio, o CDC dos EUA publicou em seu site um relatório elaborado por sua principal diretora adjunta, Dra. Anne Schuchat, e pela equipe de resposta do COVID-19.

Segundo o relatório, depois que “o primeiro caso confirmado de doença de coronavírus 2019 (COVID-19) nos Estados Unidos foi relatado em 21 de janeiro de 2020”, o “surto apareceu contido até fevereiro e depois se acelerou rapidamente”. Ele observa que “vários fatores contribuíram para a propagação acelerada durante fevereiro – março de 2020, incluindo importações continuadas associadas a viagens, grandes encontros, introduções em locais de trabalho de alto risco e áreas densamente povoadas e transmissão criptográfica resultante de testes limitados e propagação assintomática e pré-sintomática”.

Realidade: O Dr. Li Wenliang não era um delator e não foi preso.

Todos os países têm regras estritas sobre a confirmação de doenças infecciosas. Esta é uma prática comum.

A Lei de Prevenção e Tratamento de Doenças Infecciosas da China estabeleceu procedimentos de aprovação e regras estritas para a comunicação, verificação e informações sobre o release de uma doença infecciosa.

O Dr. Zhang Jixian, médico respiratório, foi o primeiro a relatar casos do COVID-19 e foi premiado por esta contribuição.

Na tarde de 30 de dezembro de 2019, três dias após o Dr. Zhang Jixian relatar casos de infecção desconhecida e um dia antes de Wuhan divulgar as informações relevantes, o Dr. Li Wenliang, oftalmologista, enviou uma mensagem ao seu grupo de ex-alunos WeChat. Ele alegou que havia “sete casos confirmados de SARS” e pediu ao grupo para não divulgar as informações. No entanto, as capturas de tela vazadas da conversa se espalharam rapidamente na Internet e causaram pânico.

Em 3 de janeiro de 2020, as autoridades policiais locais de Wuhan pediram ao Dr. Li uma delegacia para inquérito e pediram que ele parasse de espalhar informações não confirmadas, emitindo uma carta de repreensão.

Em meados de janeiro, o Dr. Li começou a mostrar sintomas de infecção. E em 31 de janeiro, ele foi confirmado como infectado pelo COVID-19.

Em 7 de fevereiro, o Dr. Li faleceu depois que todas as medidas de resgate foram esgotadas. No mesmo dia, a Comissão Nacional de Saúde expressou publicamente condolências por sua morte. A Comissão Nacional de Supervisão decidiu enviar um grupo de inspeção a Wuhan para investigar questões relacionadas ao Dr. Li.

Em 19 de março, o grupo de inspeção divulgou suas conclusões e realizou uma coletiva de imprensa. O Departamento de Segurança Pública de Wuhan anunciou a decisão sobre o assunto, apontando para a aplicação incorreta de disposições legais relevantes no caso do Dr. Li e revogou a carta de repreensão.

O Dr. Li Wenliang era um bom médico. Ele era um membro do Partido Comunista da China. Em 5 de março, ele foi nomeado “modelo nacional de profissional de saúde no combate ao COVID-19”. Em 2 de abril, ele foi homenageado como mártir.

Rotular o Dr. Li Wenliang como um “herói anti-establishment” é muito desrespeitoso para o ele e sua família. É manipulação puramente política, sem senso de decência. Em 28 de abril, o Comitê Central da Liga da Juventude Comunista da China e a Federação da Juventude All-China emitiram em conjunto a 24ª “Quarta Medalha de Maio” para homenagear representantes e modelos de destaque dos jovens chineses, e o Dr. Li Wenliang estava entre os homenageados. O Independent Media Institute conduziu uma investigação completa sobre como a mídia fez reportagens injustas sobre o Dr. Li, e concluiu que a tentativa da mídia ocidental de descrever o que aconteceu com o Dr. Li como evidência da supressão do governo chinês de informações sobre o vírus é simplesmente não lógico.

Realidade: As mensagens da China e da Organização Mundial da Saúde foram oportunas e fortes. Os EUA sabem o perigo do vírus o tempo todo.

É preciso um processo científico rigoroso para determinar se um novo vírus pode ser transmitido de pessoa para pessoa.

Em 9 de janeiro, um grupo de especialistas chineses já havia confirmado na mídia que o patógeno foi determinado preliminarmente como um novo coronavírus.

Em 20 de janeiro, o grupo de especialistas de alto nível da Comissão Nacional de Saúde informou a mídia de que o novo coronavírus poderia ser transmitido de pessoa para pessoa. Nesse dia, os EUA não relataram nenhum caso confirmado.

Em 23 de janeiro, a China enviou um poderoso aviso ao mundo, colocando Wuhan, uma cidade de 12 milhões de pessoas, sob detenção. Nesse dia, os EUA relataram apenas um caso.

Em 22 de janeiro, a OMS emitiu um aviso sobre o risco potencial de transmissão de homem para homem em seu site.

Em 27 de janeiro, a OMS elevou o nível de risco apresentado pelo COVID-19 em nível global de moderado para alto, observando que o risco é muito alto na China e alto em nível regional.

Em 30 de janeiro, o Comitê de Emergência dos Regulamentos Internacionais de Saúde da OMS realizou uma reunião e declarou o surto uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional (PHEIC).

Os EUA foram o primeiro país a retirar pessoal de seu consulado-geral em Wuhan e o primeiro a anunciar restrições de entrada em todos os cidadãos chineses: em 25 de janeiro, anunciaram a decisão de fechar seu consulado geral em Wuhan e retirar sua equipe; em 2 de fevereiro, anunciaram a decisão de fechar as fronteiras para todos os cidadãos chineses e estrangeiros que estiveram na China nos últimos 14 dias, enquanto apenas oito casos foram registrados naquele dia.

Somente no início de março o governo dos EUA reconheceu seriamente o perigo e a gravidade da propagação do vírus no país.

Em um artigo de opinião, Jeffrey Sachs, um renomado economista e diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Columbia, criticou o governo dos EUA por fazer acusações imprudentes contra a China, chamando-as de ilógicas e perigosas. Ele disse que a alegação do governo dos EUA de que a China é a causa dos problemas dos EUA é uma grande mentira e lembra o fim da era McCarthy.

As autoridades de Taiwan alegaram que seu CDC havia alertado a OMS da existência de transmissão de COVID-19 de um homem para outro em um e-mail no final de dezembro de 2019, mas a OMS reteve essas informações do mundo. Em resposta a esta alegação, o Dr. Michael Ryan, Diretor Executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS , esclareceu em 4 de maio que o e-mail enviado de Taiwan em 31 de dezembro de 2019 não era um aviso, mas um pedido de mais informações sobre casos de pneumonia atípica relatado por fontes de notícias.

Realidade: a China tem sido totalmente aberta e transparente sobre seus dados COVID-19.

A partir de 21 de janeiro, a Comissão Nacional de Saúde da China (NHC) começou a atualizar o público diariamente sobre a situação do COVID-19 do dia anterior em seu site oficial e por meio de suas contas de mídia social. A partir de 27 de janeiro, a força-tarefa interinstitucional do Conselho de Estado sobre o COVID-19 vem realizando coletivas de imprensa diárias para divulgar informações importantes e responder a perguntas da mídia nacional e estrangeira. Mais de 3.000 conferências de imprensa foram realizadas nos níveis nacional e subnacional. Oficiais do governo, trabalhadores médicos, especialistas e pacientes recuperados envolveram a mídia pessoalmente, sem se esquivar de nenhuma pergunta.

Esses dados do COVID-19 são uma base importante para a decisão da China de reabrir a economia em geral, com as medidas de contenção necessárias e restaurar a ordem econômica e social normal. Um caso em questão é o levantamento do bloqueio de 76 dias de Wuhan após uma queda contínua nas infecções.

O número relativamente baixo de casos confirmados e mortes foi atribuído às medidas mais abrangentes, rigorosos e completos tomadas prontamente pelo governo chinês, como desligar completamente o transporte de Wuhan. A revista Science estimou em um de seus relatórios que essas medidas ajudaram a prevenir pelo menos 700.000 infecções na China.

O governo chinês sempre coloca as pessoas em primeiro lugar. Na sua luta contra a COVID-19, salvar vidas é a prioridade número um. A China expandiu a admissão e o tratamento hospitalar para cobrir todos aqueles que precisam curar e salvar o maior número possível de pacientes. Todos os casos suspeitos e contatos próximos foram colocados em quarentena em locais designados para cortar a cadeia de transmissão e impedir a propagação do vírus. É por isso que a taxa de infecção nacional da China permaneceu relativamente baixa. Somente na província de Hubei, mais de 3.600 pacientes com 80 anos ou mais foram curados, incluindo sete centenários.

Na noite de 22 de Janeiro, o Diretor-Geral da OMS Tedros Adhanom declarou em Genebra que “a cooperação e transparência da China é muito, muito louvável”. Em uma entrevista à mídia norte-americana em março, o Dr. Bruce Aylward, líder da equipe da Missão Conjunta OMS-China no COVID-19, respondeu a perguntas sobre os dados oficiais da China dizendo que “não via nada que sugerisse manipulação de números”.

Em 3 de março, o Dr. Bruce Aylward, consultor sênior do Diretor-Geral da OMS, observou em uma entrevista à mídia americana VOX que a China não está escondendo nada. E os dados que ele coletou por meio de conversas com médicos de vários hospitais e outras partes interessadas podem ajudar a corroborar os dados da China.

Em 28 de abril, Christoffer Koch e Ken Okamura, dois economistas dos EUA e do Reino Unido, publicaram em conjunto um artigo baseado em estudos de dados da China, Itália e EUA. Eles descobriram que as infecções confirmadas na China correspondem à distribuição esperada na Lei de Benford e são semelhantes às dos EUA e da Itália. Concluíram, portanto, que não há possibilidade de manipulação de figuras.

Em 29 de abril, o professor Nicholas A Christakis, de Yale, co-autor do artigo da revista Nature, intitulado Population Flow Drives Distribuição Espacial-Temporal do COVID-19 na China, twittou que “esse resultado lança luz sobre a precisão do COVID-19 chinês relatórios, porque uma fonte de informação totalmente diferente (mobilidade de telecomunicações) obtida de fonte diferente prevê que o caso conta muito bem, de acordo com as expectativas epidemiológicas”.

Em 5 de maio, o Dr. Gauden Galea, representante da OMS na China, disse que “desde 3 de janeiro a OMS mantém uma comunicação técnica constante com a China sobre gravidade, dinâmica de transmissão e possibilidade de transmissão sustentada de homem para homem. curso clínico e eficácia dos tratamentos, e a OMS forneceu informações detalhadas à comunidade internacional sob a estrutura do Regulamento Sanitário Internacional (RSI)”.

Realidade: A revisão de dados por Wuhan é uma prática internacional comum. De fato, prova que a China é aberta, transparente e responsável.

Em 17 de abril, de acordo com a Lei do Povo da República Popular da China sobre Prevenção e Tratamento de Doenças Infecciosas, o Regulamento sobre preparação e resposta a Emergent riscos para a saúde pública, o Regulamento sobre a Aplicação da Lei de Estatísticas do A República Popular da China e as Regras de Administração do Registro de Informações sobre Óbitos (para implementação do julgamento), Wuhan emitiu uma notificação, revisando os casos confirmados em 325 para um total de 50.333 e casos fatais em 1.290 para um total de 3.869.

Foi por causa de um alto senso de responsabilidade perante a história, as pessoas e as vidas perdidas pelo coronavírus que Wuhan tomou a iniciativa de revisar os números para refletir os fatos que havia reunido. O motivo que causou a diferença entre os números foi quatro vezes maior:

  • Primeiro, quando a cidade foi atingida pelo vírus, os hospitais foram inundados devido ao aumento de pacientes. Alguns pacientes não puderam ser hospitalizados e faleceram em casa.
  • Segundo, durante o pico do COVID-19, os hospitais estavam sobrecarregados e os trabalhadores médicos estavam preocupados em fornecer tratamento, o que resultou em relatórios atrasados, inadequados ou imprecisos de casos relevantes.
  • Terceiro, devido a um rápido aumento subsequente de instituições médicas designadas para tratar pacientes com COVID-19, incluindo hospitais dos governos central, provincial, municipal e distrital, bem como hospitais administrados por empresas, hospitais privados e hospitais móveis, um pequeno número dessas instituições não se registraram nem relataram casos oportunamente à rede de informações estabelecida.
  • Quarto, as informações de alguns casos fatais estavam incompletas. Alguns deles foram relatados repetidamente ou imprecisos.

Para garantir a precisão dos números revisados, Wuhan criou uma força-tarefa para analisar os grandes dados e a epidemiologia da epidemia. Através de meios online, foram comparados cuidadosamente o número de casos confirmados e fatais para desduplicação para complementar as informações, fazendo pleno uso do sistema de big data epidêmico da cidade, sistema de informações de serviços funerários, sistema de informações de administração médica e testes de ácidos nucleicos sistema para COVID-19. Através de meios offline, foram coletados os dados completos de todos os locais relacionados à doença, incluindo clínicas de febre, hospitais, hospitais móveis, postos de quarentena, comunidades que confirmaram casos, bem como prisões, centros de detenção, casas de repouso e outros sites especiais administrados por órgãos governamentais de segurança pública, judiciário e assuntos civis. As informações de todos os casos foram coletadas e comparadas com instituições médicas, comunidades, delegacias de polícia da comunidade e empregadores e famílias dos pacientes para garantir que as informações de cada caso individual sejam precisas.

A revisão de padrões estatísticos é uma prática internacional comum. Por exemplo, em 29 de abril, o governo do Reino Unido começou a contar casos fatais fora dos hospitais e revisou seus números de acordo. Em 17 de abril, o governo espanhol publicou uma ordem para que suas regiões autônomas harmonizassem a maneira como coletam dados e declarou que os números publicados seriam revisados.

Realidade: A China sempre foi aberta e transparente na divulgação de informações. Alguns políticos americanos, acadêmicos e meios de comunicação hostis à China continuam caluniando e atacando a China. A China é vítima de desinformação.

O governo chinês, de maneira aberta, transparente e responsável, compartilhou com o mundo atualizações sobre a doença e sua experiência de resposta e buscou cooperação internacional. O que a China fez é altamente elogiado pela comunidade internacional.

Em 8 de maio, o Presidente Xi Jinping participou da Cúpula Extraordinária de Líderes do G20 no COVID-19 e recebeu 49 telefonemas com 39 chefes de estado e de governo e líderes de organizações internacionais; O primeiro-ministro Li Keqiang recebeu 13 telefonemas com 11 líderes estrangeiros e chefes de organizações internacionais e participou da Cúpula Especial da ASEAN Plus Três no COVID-19; O conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores Wang Yi conversou com 48 ministros das Relações Exteriores e chefes de organizações internacionais através de 80 telefonemas.

A abertura da China em compartilhar sua experiência de resposta e sua importante contribuição para a cooperação internacional contra o COVID-19 foram aplaudidas e totalmente reconhecidas internacionalmente.

 Em 27 de abril, Richard Horton, editor-chefe da revista médica The Lancet, disse em uma entrevista online à CNN que, quando a China obteve as informações do coronavírus, imediatamente informou a Organização Mundial da Saúde em 31 de dezembro de 2019. Horton também acrescentou que “devemos agradecer às autoridades da China e agradecer à Organização Mundial da Saúde, porque elas fizeram todo o possível para alertar o mundo sobre a seriedade dessa pandemia”.

Tijjani Muhammad-Bande, Presidente da 74ª Sessão da Assembléia Geral das Nações Unidas, ao participar da 33ª Cúpula da União Africana na Etiópia, disse à imprensa que a Missão Permanente da China nas Nações Unidas havia fornecido um briefing bem ONU no COVID-19. O Presidente Bande foi ainda mais longe ao salientar que a divulgação oportuna e transparente de informações COVID-19 pelo governo chinês ajudou o mundo a ser informado sobre a situação na China e facilitou a cooperação multilateral contra o vírus.

Em 20 de abril, o The Grayzone, um site independente de notícias com sede nos EUA, divulgou como os jornalistas conservadores estavam colaborando com o governo dos EUA em uma campanha de desinformação contra a China: o jornalista do Washington Post Josh Rogin, que fez uma série de notícias falsas, fabricou um artigo duvidoso em 14 de abril. No artigo, ele escolheu um telegrama da embaixada dos EUA em Pequim e identificou enganosamente um elemento anti-China como “cientista pesquisador”. Na noite de 15 de abril, o senador republicano Tom Cotton divulgou a teoria da conspiração e alegou que o governo chinês deveria ser obrigado a pagar o preço de todas as perdas causadas pelo COVID-19. Em 17 de abril, o secretário de Estado Mike Pompeo levou a teoria sem fundamento ao cenário global, exigindo acesso ao Instituto de Virologia Wuhan para investigação.

Realidade: O vírus não faz distinção entre ideologia ou sistema social. O Partido Comunista da China (PCC) e o governo chinês desempenharam um papel decisivo e crítico na liderança do povo chinês na bem-sucedida luta contra o COVID-19. O sistema político da China, que efetivamente uniu e mobilizou 1,4 bilhão de pessoas em uma vasta terra de 9,6 milhões de quilômetros quadrados, forneceu uma forte garantia política para a China superar as dificuldades enfrentadas por um país em desenvolvimento e reunir todos os pontos fortes e recursos disponíveis para vencer a batalha contra o vírus. O que aconteceu mostra que o sistema social e o caminho de desenvolvimento escolhido pelo povo chinês atendem às condições nacionais da China e que o CPC desfruta de apoio firme e amplo ao povo chinês. E a China não tem intenção de exportar seu sistema político.

Em 23 de janeiro, o comando municipal de Wuhan em resposta ao COVID-19 anunciou a suspensão temporária das viagens de ida e volta da cidade de Wuhan. Dois dias depois, 30 províncias, regiões autônomas e municípios da China ativaram a resposta de alto nível às doenças. A partir de 24 de janeiro, 42.000 trabalhadores médicos de toda a China, reunindo mais de 330 equipes médicas, partiram para a linha de frente na província de Hubei. Na véspera de 25 de janeiro, três equipes médicas do Exército de Libertação Popular voaram para Wuhan de Xangai, Chongqing e Xi’an. Dezenove províncias foram combinadas com 16 cidades e prefeituras de Hubei, exceto Wuhan na batalha contra o vírus. Em todo o país, os principais suprimentos médicos e necessidades diárias foram entregues a Hubei de forma constante.

A China reuniu enormes recursos humanos e materiais para construir o Hospital Huoshenshan com 1.000 leitos em 10 dias e o Hospital Leishenshan com 1.600 leitos em 15 dias. A uma velocidade média de construção de um hospital em um dia e meio, um total de 16 hospitais móveis foram implantados para acomodar mais de 13.000 pacientes.

Desde o estágio inicial de sua resposta ao COVID-19, a China conseguiu garantir a detecção, notificação, quarentena e tratamento precoces para os casos da doença. Os melhores recursos humanos e materiais estavam concentrados no tratamento de pacientes com condições graves. A triagem de casos gerais foi implementada em todas as comunidades residenciais e o gerenciamento baseado em rede foi adotado para garantir que todos os necessitados tivessem acesso a testes, quarentena e tratamento hospitalar.

Em resposta ao COVID-19 em Wuhan, mais de 44.500 funcionários do Partido no nível primário foram enviados para 13.800 comunidades residenciais, construindo uma forte linha de defesa contra o vírus. As medidas de distanciamento social foram apoiadas e rigorosamente observadas em todo o país, efetivamente restringindo à disseminação do vírus.

Os esforços de resposta da China sobre o COVID-19 têm sido altamente elogiado pela comunidade internacional. Ao se reunir com o presidente Xi Jinping em 28 de janeiro, o diretor-geral da OMS, Dr. Tedros, observou que a alta velocidade e a enorme escala da resposta da China raramente são vistas no mundo, demonstrando a velocidade, a escala e a eficiência da China. Vale a pena aprender a experiência da China para outros países. Durante a conferência de imprensa na sede da UA, em 8 de fevereiro, o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, também elogiou a China por seus esforços “notáveis” para conter o vírus.

Na conferência de imprensa da Missão Conjunta OMS-China em COVID-19, em 24 de fevereiro, o Dr. Bruce Aylward, Conselheiro Sênior do Diretor-Geral da OMS, disse que a China lançou provavelmente o mais ambicioso, ágil e agressivo esforço de contenção de doenças no país. história. A abordagem ousada da China mudou o curso da doença e é a única medida bem-sucedida que sabemos até agora para conter o COVID-19.

Em 6 de maio, uma agência de informações de Singapura, a Blackbox Research, divulgou uma pesquisa on-line conjunta, realizada em conjunto com a agência de pesquisa de mercado Toluna, com 12.500 pessoas em 23 economias. Os entrevistados foram solicitados a classificar as medidas de contenção de coronavírus de seus governos em quatro indicadores principais: liderança política, liderança corporativa, comunidade e mídia. O continente chinês classificou-se como o mais alto da pesquisa, com uma pontuação de 85 em 100. 85% dos entrevistados no continente chinês expressaram confiança de que a China emergiu mais forte da crise.

Realidade: a medida da China foi uma resposta à opressão da mídia chinesa nos EUA a longo prazo, especialmente a recente expulsão de 60 jornalistas chineses. A China divulgou informações de maneira aberta, transparente, responsável e oportuna.

Os EUA têm escalado suas críticas políticas contra os meios de comunicação chineses nos EUA. Em dezembro de 2018, o Departamento de Justiça dos EUA exigiu que a CGTN America se registrasse como um “agente estrangeiro”. Em 18 de fevereiro de 2020, o Departamento de Estado dos EUA designou cinco entidades de mídia chinesas nos EUA, incluindo a Agência de Notícias Xinhua, como “missões estrangeiras”.

Os EUA adotaram uma política discriminatória de vistos para jornalistas chineses. Por exemplo, concede apenas vistos de entrada única a jornalistas chineses sediados nos EUA. Desde 2018, os pedidos de visto de mais de 30 jornalistas chineses foram adiados indefinidamente ou até mesmo negados pelos EUA.

Em 2 de março de 2020, o Departamento de Estado dos EUA instituiu um limite de pessoal para as cinco organizações de mídia chinesas designadas como “missões estrangeiras” , com a intenção de reduzir o número de funcionários chineses em cerca de 40% até 13 de março. Isso equivale à expulsão de fato de 60 jornalistas chineses.

Desde o início do COVID-19, a China atualiza diariamente dados relevantes on-line de maneira aberta, transparente e responsável. Todos os dias de trabalho, jornalistas estrangeiros sediados na China podem participar de conferências de imprensa realizadas pela força-tarefa interinstitucional do Conselho de Estado, pelo Escritório de Informações do Conselho de Estado e pelo Ministério de Relações Exteriores, onde podem levantar questões relacionadas a vírus de seu interesse. Eles tiveram entrevistas com funcionários dos governos central e local, além de especialistas e estudiosos. Muitos jornalistas estrangeiros foram a Wuhan para reunir informações em primeira mão e publicaram muitos relatórios. Todos esses fatos mostram que o mundo não tem acesso a informações sobre a situação na China.

A China sempre recebe entrevistas e reportagens realizadas por meios de comunicação estrangeiros e jornalistas no país, de acordo com as leis e regulamentos. Continuaremos a fornecer-lhes facilitação e assistência. A oposição é feita ao viés ideológico contra a China, notícias falsas fabricadas sob o pretexto da liberdade de imprensa e atos que violam a ética do jornalismo.

Realidade: a China apoia firmemente o multilateralismo. Estamos sempre em boa comunicação e cooperação com a OMS. Mas nunca tentamos manipular a organização. A suspensão do financiamento pelos EUA, o maior colaborador da OMS, foi amplamente contestada pela comunidade internacional.

A OMS é uma agência especializada da ONU responsável pela segurança da saúde pública. Possui 194 estados membros. Onze membros em sua equipe de 21 líderes da matriz são dos EUA, UE, Canadá e Austrália, e apenas um é da China. Todos são médicos treinados ou praticantes, epidemiologistas, equipes de resgate e especialistas em saúde pública.

Em 2018 e 2019, a China foi o terceiro maior doador das contribuições avaliadas pela OMS , depois dos EUA e do Japão. Segundo a OMS, as contribuições avaliadas representam apenas menos de um quarto de seu financiamento total, sendo as demais contribuições voluntárias. Com as duas fontes de financiamento contadas, a China é o nono maior contribuinte. E se doações de empresas e ONGs também forem levadas em consideração, o ranking da China seria ainda menor.

 

Realidade: A região de Taiwan da China não enviou nenhum aviso à OMS. O que fez foi pedir mais informações à organização depois que a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan relatou a doença.

Depois que Wuhan notificou casos de pneumonia de causa desconhecida em 31 de dezembro de 2019, o departamento de saúde local de Taiwan enviou uma carta à Comissão Nacional de Saúde (CNS) perguntando sobre as informações divulgadas pela Comissão Municipal de Saúde de Wuhan. O NHC respondeu prontamente por escrito através dos pontos de contato designados especificados no Acordo de Cooperação através do Estreito de Medicina e Assuntos de Saúde Pública. No mesmo dia, o departamento de saúde de Taiwan enviou o chamado “e-mail de aviso” à OMS. O e-mail não fez referência à transmissão de humano para humano. Foi principalmente uma investigação sobre informações da OMS. Os fatos são claros. Foi o continente da China quem divulgou as informações pela primeira vez, e o departamento de saúde de Taiwan apenas transmitiu a mensagem. Não existe algo como “Taiwan relatou primeiro à OMS”.

A OMS esclareceu repetidas vezes que a região de Taiwan da China não deu “aviso” , mas estava solicitando puramente informações relevantes. A OMS já havia recebido vários e-mails de perguntas de outros lados antes de Taiwan enviar o e-mail. Em 20 de abril, a OMS voltou a esclarecer o assunto em seu comunicado de imprensa, observando que somente em 21 de janeiro o primeiro caso COVID-19 foi confirmado na região chinesa de Taiwan. Antes disso, Taiwan não possuía informações em primeira mão sobre casos clínicos, muito menos a capacidade de determinar se havia transmissão de homem para homem.

Realidade: Taiwan, sendo parte da China, não tem o direito de se juntar à OMS, cuja associação exige um estado soberano. O canal de cooperação técnica entre Taiwan da China e a OMS não tem impedimentos.

Somente os Estados Membros da ONU são elegíveis para ingressar na OMS, uma agência especializada da ONU composta por estados soberanos. Taiwan, fazendo parte da China, não tem o direito de solicitar a adesão à OMS.

Após a adesão ao Regulamento Sanitário Internacional (2005) (RSI), a China declarou que o RSI se aplica a todo o território da República Popular da China, incluindo a Região Administrativa Especial de Hong Kong, a Região Administrativa Especial de Macau e a Província de Taiwan .

Como acordado entre o governo chinês e da OMS, a OMS RSI Ponto de Contacto foi criado na região de Taiwan que tem uma conta para acessar as informações do site da OMS evento para as atualizações oportunas sobre emergências globais de saúde pública divulgados pela OMS . Não há barreira à cooperação técnica entre a China e a OMS na China. Entre o início de 2019 e o início de maio de 2020, 24 pessoas por 16 grupos de especialistas de Taiwan participaram das conferências técnicas realizadas pela OMS.

Desde o início do COVID-19, a Comissão Nacional de Saúde da China forneceu informações oportunas para a região de Taiwan. Em 6 de maio, o continente da China havia atualizado Taiwan sobre a situação 148 vezes. Em meados de janeiro, o continente organizou uma visita de campo a Wuhan para especialistas de Taiwan para ajudá-los a aprender mais sobre o diagnóstico e tratamento de casos confirmados e medidas de resposta ao COVID-19.

Realidade: Não existe base legal para responsabilizar a China e pagar pela COVID-19. Essencialmente, alguns políticos dos EUA estão tentando mudar a culpa da agenda política doméstica.

A COVID-19 é um desastre natural, não causado pelo homem. A China, como outros países, é uma vítima, não uma culpada.

Uma pandemia é uma emergência global de saúde pública. Não existe “responsabilidade do estado” do primeiro país a relatar casos. O HIV / AIDS foi detectado pela primeira vez nos EUA na década de 1980 e, desde então, se espalhou pelo mundo todo, mas a comunidade internacional nunca exigiu que os EUA assumissem a responsabilidade ou pagassem reparações.

Os EUA não têm base legal para exigir que a China seja responsabilizada e pague pela COVID-19. De acordo com o direito internacional, a responsabilidade do estado ocorre quando os atos do estado responsável constituem uma violação do direito internacional e há um nexo de causalidade entre esses atos e as perdas sofridas pelo estado lesado. A resposta da China à COVID-19 não viola nenhuma lei internacional, nem tem uma relação causal com quaisquer perdas que os EUA possam sofrer devido ao surto maciço do vírus. A tentativa dos EUA nas chamadas investigações sobre a resposta da China baseia-se na presunção de culpa.

Não há tratado ou acordo bilateral entre a China e os EUA sobre eventos de saúde pública e emergência. Como tal, não pode haver violação de nenhuma obrigação bilateral. Embora o Regulamento Sanitário Internacional (RSI) exija apenas que o Estado Parte notifique a OMS sobre um evento de saúde pública, a China ainda forneceu aos EUA atualizações oportunas e contínuas sobre o vírus. Os EUA estavam entre os primeiros países a serem informados sobre o vírus na China e, desde então, recebem atualizações contínuas. Diante da COVID-19, a China sempre atuou com abertura, transparência e senso de responsabilidade. Ele prontamente divulgou informações e notificou a OMS sobre o vírus, tomou as medidas mais abrangentes, rigorosas e completas e cumpriu fielmente seus deveres e obrigações sob o RSI.

Os chamados processos judiciais nos EUA são mal intencionados e infundados. Eles também são contrários aos princípios gerais do direito. De acordo com o princípio da igualdade soberana sob o direito internacional, os atos soberanos de governos de todos os níveis da China em resposta à COVID-19 não estão sujeitos à jurisdição dos tribunais dos EUA. Esses processos injustificados não apenas prejudicam a resposta dos EUA à doença, mas também são contrários à cooperação internacional no combate ao COVID-19.

Em 4 de maio, a Nature, uma das principais revistas do mundo, publicou um estudo realizado por especialistas da China, dos EUA e Reino Unido, de acordo com a estrutura de modelação que os três principais grupos de intervenções não-farmacêuticas (ISFL) ( restrições de viagens entre cidades, identificação e isolamento precoce de casos e restrições de contato e distanciamento social) tomadas pela China não apenas continham a disseminação do COVID-19 na China, mas também compravam um tempo precioso para o mundo. O estudo aponta que, sem os NPIs combinados, os casos de COVID-19 na China provavelmente teriam mostrado um aumento de 67 vezes, para mais de 7 milhões.

Realidade: Apesar de uma tarefa ainda formidável de combater a COVID-19 em casa, a China tem fornecido suprimentos médicos a outros países da melhor maneira possível.

O governo e o povo chinês forneceram muitas remessas de suprimentos médicos tão necessários para mais de 150 países e organizações internacionais, e esses esforços ainda estão em andamento. A China também alavancou sua forte capacidade de produção e abriu prontamente seu mercado de suprimentos médicos e canais de exportação.

De acordo com o Ministério do Comércio da China, entre 1 de março e 6 de maio, a China atendeu às ordens de exportação de suprimentos anti epidêmicos de 194 países e regiões. Entre eles, 77 países e regiões, bem como seis organizações internacionais assinaram acordos de compras comerciais com a China por meio de canais oficiais de 216 remessas de suprimentos médicos. Estão em andamento discussões entre empresas chinesas e 71 países e regiões, além de oito organizações internacionais para obter 128 remessas de suprimentos.

De acordo com estatísticas da Administração Geral das Alfândegas, de 1 de março a 30 de abril, a China exportou 71,2 bilhões de yuans em suprimentos anti-epidêmicos, incluindo 27,8 bilhões de máscaras, 130 milhões de roupas de proteção, 73,41 milhões de kits de teste de ácido nucleico, 12,57 milhões de infravermelhos termômetros, 49.100 ventiladores, 124.000 monitores de pacientes, 43,63 milhões de óculos e 854 milhões de luvas cirúrgicas.

Estatísticas da Administração Geral das Alfândegas da China mostram de que entre 1 de Março e 5 de Maio, a China exportou para os EUA 6,6 bilhões de máscaras, 344 milhões de pares de luvas cirúrgicas, 44.09 milhões de ternos de proteção, 6,75 milhões de óculos, e cerca de 7.500 ventiladores.

Estatísticas preliminares indicam que, até 6 de maio, províncias chinesas, regiões e municípios autônomos, instituições e empresas doaram para 30 estados dos EUA e 55 cidades, mais de 9,6 milhões de máscaras, 500.000 kits de teste, 305.900 pares de luvas médicas e outras e 133.500 óculos.

A China não possui restrições à exportação de suprimentos médicos. Medidas políticas, como o anúncio sobre o fortalecimento do controle de qualidade de suprimentos anti epidêmicos, são introduzidas não para limitar as exportações, mas para fortalecer ainda mais o controle de qualidade dos suprimentos médicos e garantir a exportação ordenada e bem regulamentada.

A capacidade da China em produzir respiradores não é ilimitada, e algumas partes têm de ser importadas e são sub-fornecidas. Dito isto, as empresas ainda estão discutindo com os importadores de maneira baseada no mercado, e o governo chinês nunca restringiu a exportação desses respiradores.

O governo e o povo chinês forneceram muitas remessas de suprimentos médicos tão necessários para mais de 150 países e organizações internacionais, e esses esforços ainda estão em andamento. A China também alavancou sua forte capacidade de produção e abriu prontamente seu mercado de suprimentos médicos e canais de exportação.

De acordo com o Ministério do Comércio da China, entre 1 de março e 6 de maio, a China atendeu às ordens de exportação de suprimentos anti epidêmicos de 194 países e regiões. Entre eles, 77 países e regiões, bem como seis organizações internacionais assinaram acordos de compras comerciais com a China por meio de canais oficiais de 216 remessas de suprimentos médicos. Estão em andamento discussões entre empresas chinesas e 71 países e regiões, além de oito organizações internacionais para obter 128 remessas de suprimentos.

De acordo com estatísticas da Administração Geral das Alfândegas, de 1 de março a 30 de abril, a China exportou 71,2 bilhões de yuans em suprimentos anti-epidêmicos, incluindo 27,8 bilhões de máscaras, 130 milhões de roupas de proteção, 73,41 milhões de kits de teste de ácido nucleico, 12,57 milhões de infravermelhos termômetros, 49.100 ventiladores, 124.000 monitores de pacientes, 43,63 milhões de óculos e 854 milhões de luvas cirúrgicas.

Estatísticas da Administração Geral das Alfândegas da China mostram de que entre 1 de Março e 5 de Maio, a China exportou para os EUA 6,6 bilhões de máscaras, 344 milhões de pares de luvas cirúrgicas, 44.09 milhões de ternos de proteção, 6,75 milhões de óculos, e cerca de 7.500 ventiladores.

Estatísticas preliminares indicam que, até 6 de maio, províncias chinesas, regiões e municípios autônomos, instituições e empresas doaram para 30 estados dos EUA e 55 cidades, mais de 9,6 milhões de máscaras, 500.000 kits de teste, 305.900 pares de luvas médicas e outras e 133.500 óculos.

A China não possui restrições à exportação de suprimentos médicos. Medidas políticas, como o anúncio sobre o fortalecimento do controle de qualidade de suprimentos anti epidêmicos, são introduzidas não para limitar as exportações, mas para fortalecer ainda mais o controle de qualidade dos suprimentos médicos e garantir a exportação ordenada e bem regulamentada.

A capacidade da China em produzir respiradores não é ilimitada, e algumas partes têm de ser importadas e são sub-fornecidas. Dito isto, as empresas ainda estão discutindo com os importadores de maneira baseada no mercado, e o governo chinês nunca restringiu a exportação desses respiradores.

Realidade: A assistência da China a outros países é uma retribuição pela ajuda recebida no combate inicial à COVID-19. É também um passo concreto para colocar em ação a visão de construir uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade.

A China tem compartilhado sua experiência de controle extensivamente, fornecendo suprimentos médicos e de proteção e enviando equipes médicas para outros países. Em meados de maio, a China lançou um centro de conhecimento on-line, publicou sete edições de protocolos terapêuticos e de diagnóstico e seis edições de planos de contenção, e criou um fundo de dois bilhões de yuans para a cooperação COVID-19. Os médicos especialistas chineses tiveram mais de 120 videoconferências com colegas de mais de 160 países e organizações internacionais. A China enviou suprimentos médicos para mais de 150 países e organizações internacionais e 21 equipes médicas para 19 países. Estabeleceu uma equipe de especialistas em conjunto com a UE e um mecanismo conjunto de resposta e cooperação com a República da Coréia. A China doou US $ 50 milhões em dinheiro para a OMS. E, em resposta à iniciativa de suspensão do serviço da dívida para os países mais pobres adotada em uma recente reunião do G20, a China concordou em suspender o pagamento de principal e juros de 77 dívidas dos países em desenvolvimento com vencimento entre 1 de maio e o final de 2020. Essas ações de apoio e assistência foram amplamente reconhecidas pela comunidade internacional, pois demonstraram o espírito de solidariedade e ajuda mútua da China em tempos difíceis e destacou a importância de construir uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade.

 

Realidade: A China segue o princípio de não interferir nos assuntos internos de outros países. O que acontece atualmente é a capitalização do golpe na China como tática eleitoral por parte de alguns políticos.

A China segue uma política externa independente de paz e segue o princípio da não interferência nos assuntos internos de outros países. A eleição dos EUA é seu assunto interno. A China nunca se intrometeu, e não tem interesse em fazê-lo.

O Político divulgou que o Comitê Nacional Senatorial Republicano enviou campanhas a um memorando de 57 páginas, aconselhando candidatos do Partido Republicano a lidar com a crise do coronavírus atacando agressivamente a China. O memorando enfatiza três linhas principais de ataque: que a China causou o vírus ao “encobri-lo”, que os democratas são “brandos com a China” e que os republicanos “pressionaram por sanções contra a China por seu papel na disseminação dessa pandemia”. Os republicanos indicaram no memorando que planejam fazer da China uma peça central da campanha de 2020. Tudo isso mostra que enquadrar e atacar a China se tornou uma “abordagem de todo o governo” da campanha republicana.

Realidade: O objetivo deste requisito é garantir um melhor controle de qualidade.

O rigoroso controle de qualidade é de vital importância na produção e fornecimento de itens anti epidêmicos, pois estão em risco a vida das pessoas nos países e regiões afetados.

O governo chinês atribui grande importância à qualidade e segurança dos suprimentos médicos. As autoridades relevantes intensificaram ações conjuntas para restringir o controle de qualidade das exportações médicas e garantir procedimentos de exportação adequados. Ao reprimir bens abaixo do padrão, má-fé e comportamentos ilícitos, a China garantiu a qualidade das exportações médicas para apoiar melhor a resposta global ao vírus.

Essas medidas produziram bons resultados e receberam comentários positivos da comunidade internacional. A China não impõe restrições às suas exportações e não tem intenção de fazê-lo. Ao garantir a qualidade dessas exportações, as autoridades aduaneiras da China tomaram medidas para acelerar o desembaraço aduaneiro e melhorar ainda mais a facilitação.

Realidade: As medidas de resposta COVID-19 da China se aplicam a chineses e estrangeiros sem discriminação. A China segue uma política de tolerância zero em palavras e ações discriminatórias.

Apesar de suas próprias dificuldades, a China deu cuidados e proteção a todos os africanos na China, especialmente aos estudantes africanos. Os mais de 3.000 estudantes africanos na província de Hubei, incluindo Wuhan, estão sãos e salvos, exceto um estudante que contraiu o vírus, mas foi rapidamente curado.

Em 13 de abril, Guangzhou havia relatado um total de 26 casos importados entre estrangeiros, incluindo 19 africanos. As medidas aprimoradas de teste e controle adotadas pela China são para cidadãos chineses e todos os estrangeiros na China. Eles não são direcionados a nenhuma nacionalidade ou raça. Seu objetivo é proteger a saúde pública e o bem-estar das pessoas. Alguns incidentes isolados que ocorreram neste processo devido a falhas de comunicação ou mal-entendidos foram tratados oportuna e adequadamente por meio de uma comunicação estreita entre as autoridades chinesas relevantes e funcionários do governo dos países africanos em questão. Em 18 de abril, o decano do Corpo de Consulados da África em Guangzhou confirmou que a Província de Guangdong e a Cidade de Guangzhou tomaram várias medidas para proteger os direitos e interesses dos expatriados africanos na região.

No dia 13 de abril, o Presidente da Comissão da UA, Moussa Faki Mahamat, disse que a África e a China são amigas cujos destinos estão intimamente ligados. Ele acredita que a China não é um país que adotaria ações discriminatórias. Alguns enviados africanos na China observaram que a profunda amizade entre a África e a China resistiu ao teste das vicissitudes e que nenhuma força externa pode impedi-lo de crescer ainda mais.

De acordo com uma reportagem da BBC em 17 de abril, um vídeo amplamente compartilhado nas mídias sociais mostrando um casal queniano sendo atacado nas ruas de Wuhan como resultado do estigma do COVID-19, na realidade, foi gravado em Nova York.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas

Observatório do Coronavírus #58

Brasil começa a receber doações de EPIs e kits de testagem vindos da China para ajudar no combate ao coronavírus; número de novos casos no país cai pelo 3º dia seguido

Foto: Fernando Souza / El País

Observatório do Coronavírus #91

Imprensa internacional aponta o Brasil como novo epicentro global da pandemia; Número de infectados se aproxima dos 3,5 milhões em todo o mundo