Senador Rodrigo Pacheco - Foto: Agência Senado

15 de abril de 2020

Senador Rodrigo Pacheco critica disputa entre Bolsonaro e Mandetta em meio à pandemia

Entrevista com o senador foi publicada pelo jornal O Estado de Minas; o presidente do Ibrachina, Thomas Law, analisa a situação

Foto: Agência Senado

“Intuição” versus “ciência”. Assim o senador mineiro Rodrigo Pacheco (DEM) define as diferenças entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, na condução da crise imposta pela pandemia do novo coronavírus. Colega de partido de Mandetta – deputado federal licenciado pelo Mato Grosso do Sul -, Pacheco lamenta o fato de Bolsonaro se opor, publicamente, às orientações dadas pelo chefe da saúde nacional. “Felizmente, a tese do ministro tem vencido, mas o conflito confunde a população”, afirma. “Todos precisam estar na mesma direção no combate a pandemia. Em um momento onde a população procura orientação, o Poder Público precisa agir de forma coordenada para gerar tranquilidade ao povo e ser mais assertivo em suas ações”, analisa Thomas Law, presidente do Ibrachina.

Desde a última semana, a crise ganhou novos contornos. Também filiado ao Democratas, o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, parlamentar eleito pelo Rio Grande do Sul, viu vazar uma conversa telefônica com o ex-ministro e deputado federal Osmar Terra (MDB-RS). Durante o diálogo, Onyx diz que, além de não falar há dois meses com Mandetta, “teria cortado a cabeça” do ministro da Saúde se estivesse no lugar de Bolsonaro. A ligação foi ouvida e divulgada pela CNN Brasil.

Embora evite comentar o conteúdo do telefonema, Pacheco reprova o raciocínio exposto pelo titular da Cidadania. “Caso seja esse, de fato, o pensamento do ministro Onyx, é equivocado, já que Mandetta cumpre bem e fielmente sua missão”, diz.

Os atritos com a China também incomodam Pacheco. O último a tecer comentários sobre o país asiático, em 4 de abril, foi o ministro da Educação, Abraham Weintraub, que usou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para satirizar o sotaque local e insinuar que o governo de Xi Jinping esconde informações sobre a COVID-19. Como resposta, ouviu da embaixada chinesa que seu tuíte era “fortemente racista”.

Outra pessoa próxima ao chefe do Executivo nacional a irritar Pequim foi o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), em meados de março. Quando o filho “03” do presidente culpou os chineses pela disseminação mundial do vírus, foi repudiado pelo embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, que chegou a exigir uma retratação formal pelas declarações. “Precisamos da China para nos desenvolver economicamente”, rebate o senador.

Na visão de Pacheco há, também, uma espécie de desencontro entre as estratégias tomadas pelos governos federal, estadual e municipal. Segundo ele, como as decisões não foram tomadas de modo centralizado, a gestão da crise tem sido feita de modo “descoordenado”. Ele aproveitou para detalhar a atuação do Senado no enfrentamento à crise.

Veja, abaixo, a íntegra da entrevista com Rodrigo Pacheco  feita pelo jornal Estado de Minas:
 
Bolsonaro disse, dias atrás, que ‘tem se bicado’ com Mandetta. O senhor acredita que as falas do presidente desautorizam, junto à população, as medidas defendidas pelo ministro da Saúde, como o isolamento?
É inusitado. O presidente pensa uma coisa e o seu ministro outra. Um com base na intuição e, o outro, na ciência. Felizmente, a tese do ministro tem vencido, mas o conflito confunde a população. Isso é lamentável. O discurso do governo federal tinha que ser único.
 
O DEM tem importantes ministros, além da presidência das duas casas legislativas federais. O senhor acha que a condução da crise pode alterar a percepção do partido sobre a governo Bolsonaro?
A escolha dos ministros foi pessoal do presidente Bolsonaro. Embora sejam filiados ao Democratas, não houve indicação partidária. O verdadeiro papel do partido é apoiar aquilo do governo que é bom, como a condução do enfrentamento à crise pelo ministro da Saúde.
 
Qual a opinião do senhor sobre a fala do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, que disse, em telefonema a Osmar Terra, que, se fosse Bolsonaro, “teria cortado a cabeça” de Mandetta? Isso pode trazer consequências negativas ao partido?
Não comentarei conversa, de caráter privado, entre dois deputados. Mas caso seja esse, de fato, o pensamento do ministro Onyx, é equivocado, já que Mandetta cumpre bem e fielmente sua missão. E a última coisa que podemos pensar, neste momento, é proveito ou conveniência de partido político. Temos de pensar nas pessoas e nas ações capazes de tirar o país da crise.
 
Eduardo Bolsonaro e o ministro da Educação, Abraham Weintraub, teceram fortes críticas à China. Houve respostas igualmente duras nos dois casos. O senhor acredita que os atritos com o maior parceiro comercial do país podem trazer graves consequências ao Brasil?
Atrito desnecessário e inoportuno. Precisamos da China para nos desenvolver economicamente. É o nosso maior parceiro comercial. Essa é a realidade e ponto final. Não é hora de achismos ou de perdermos tempo com teorias da conspiração.
 
Como o senhor avalia a gestão da crise por parte dos Executivos municipal, estadual e federal?
Descoordenada desde o início por falta de um comando central. Cada um passou a agir, de forma individual, sem levar em conta que a crise é mundial.
 
O senhor é favorável ao adiamento das eleições municipais deste ano? Há PECs sobre o tema apresentadas, inclusive, por outros senadores. Acha que já é hora de discutir o assunto?
Podemos discutir um pouco mais à frente avaliando o quadro da ocasião. Mas já me manifestei favorável ao adiamento, inclusive com coincidência de eleições em 2022. O calendário eleitoral já está prejudicado.
 
Em tempos de pandemia, como o Senado Federal pode auxiliar os estados?
Já votamos a ampliação das categorias contempladas pelo auxílio emergencial de R$ 600, o que será um incremento importante na economia dos estados. Também há medidas para ajudar empresários, como o Projeto de Lei (PL) 1.282/2020, que institui o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Há, também, previsão de aumento dos repasses aos estados e municípios. Aprovamos, ainda, a mudança no rito das tramitações das matérias para que os projetos sejam aprovados com mais celeridade.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas