International Horticultural Exhibition 2019 Beijing

A transformação ecológica da China

Como projetos que unem tecnologia e sustentabilidade renovaram as paisagens verdes do país e mudaram os hábitos dos chineses

A proteção ambiental tornou-se um dos principais focos da China. Ao longo dos últimos anos, o país aumentou em 10,87 milhões de hectares sua área florestal e as regiões desérticas têm diminuído cerca de 2 mil km² anualmente. Os chineses também alcançaram outros objetivos, como a diminuição contínua da emissão de poluentes, a redução no consumo de energia e água por unidade do PIB, o aumento no consumo de energia limpa, entre outros.

Depois da assinatura do Acordo de Paris sobre as mudanças climáticas, as iniciativas ecológicas na China ganharam impulso e vão além do compromisso com o meio ambiente. Os grandes projetos ecológicos e de desenvolvimento das indústrias sustentáveis em áreas empobrecidas impactam positivamente cerca de 15 milhões de pessoas, gerando emprego e melhorias para as cidades.

A China é uma das signatárias do Acordo de Paris
A China é uma das signatárias do Acordo de Paris

Entre os casos de sucesso da China está a região montanhosa de Qianyanzhou, na província de Jiangxi, sul da China. Na década de 1980, a área enfrentou um problema sério de erosão do solo devido ao desmatamento e a práticas agrícolas insustentáveis. O governo chinês promoveu o reflorestamento das montanhas, plantando pomares e arrozais, e aumentou a cobertura florestal de 0,43% para quase 70%. Em poucos anos, a biodiversidade, a qualidade ambiental e o microclima melhoraram, e o uso sustentável da terra passou a gerar rendas mais altas.

O projeto de reflorestamento em Qianyanzhou tornou-se referência na ONU
O projeto de reflorestamento em Qianyanzhou tornou-se referência na ONU

O desejo de gerar ambientes saudáveis ​​enquanto promove o crescimento econômico certamente será recompensado no futuro, quando o país chegar ao status de ser a única nação a vencer completamente a pobreza enquanto estabelece um modo de produção ambientalmente consciente. Este caminho já está sendo trilhado com a construção de smart cities – projetos ambiciosos que reúnem as mais recentes tecnologias em benefício do bem-estar social e ambiental. Entre as cidades que já passam por esse processo inovador estão Pequim, Xangai, Shenzhen, Hangzhou, Chongqing, Chengdu, Guiyang e Wuhan.

Nascer do sol em Guiyang
Nascer do sol em Guiyang

Algumas marcas de luxo da China também assumiram compromisso com a sustentabilidade e estão transformando seus processos de produção para diminuir o impacto no aquecimento global e na emissão de gases poluentes. É o caso da gigante Shandong Ruyi, que detém as marcas Bally, the SMCP group and Aquascutum. A empresa entendeu a nova demanda dos consumidores chineses por produtos feitos com materiais naturais e com responsabilidade ambiental. Entre as melhorias implementadas em seus processos estão o uso de tintas naturais produzidas a partir de lixo orgânico, o tratamento da água utilizada no processo de tingimento e estamparia, a otimização nas cadeias de suprimento e a interrupção do uso de plástico de uso único.

Os consumidores chineses buscam produtos feitos com materiais naturais e com responsabilidade ambiental - Foto: The Luxury Conversation
Os consumidores chineses buscam produtos feitos com materiais naturais e com responsabilidade ambiental - Foto: The Luxury Conversation

A tecnologia também é usada para estimular a população a ter hábitos mais ecologicamente responsáveis. O aplicativo Ant Forest, lançado em março de 2020, encoraja as pessoas a reduzirem as emissões de carbono e a protegerem o meio ambiente. Os usuários criam seus perfis no app e registram suas atividades diárias para saber como cada uma delas impacta na redução do problema, e geram sementes virtuais que podem ser “plantadas” para que se tornem grandes árvores. Essa gamificação dos hábitos eco-friendly recebeu o prêmio Champions of the Earth pelo Programa Ambiental da ONU em 2019.

Parque Nacional de Jiuzhaigou
Parque Nacional de Jiuzhaigou

O turismo sustentável também tem sido amplamente incentivado na China. De acordo com a ONU, os passeios “promovem mais entendimento entre os povos de todos os lugares, o que leva a uma maior conscientização sobre o rico patrimônio de várias civilizações e a uma melhor apreciação dos valores inerentes às diferentes culturas, contribuindo dessa forma para fortalecer a paz no mundo”. Entre as regiões chinesas mais visitadas com esse propósito estão as Montanhas Huangshan e a Reserva e Parque Nacional de Jiuzhaigou.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Veja também

Festival de Inverno de Harbin

Começou neste sábado (5), o maior festival de inverno do Hemisfério Norte, na cidade de Harbin (China). O evento, que teve sua origem na década