I.M. Pei, o chinês que projetou a pirâmide do Louvre

O arquiteto ganhou o prêmio Pritzker em 1983 e foi responsável por grandes projetos ao redor do mundo.

Ieoh Ming Pei, considerado um dos maiores arquitetos do mundo, ganhou notoriedade por ter projetado a pirâmide do Louvre em 1989. Autor de projetos importantes em muitos países, morreu na noite desta quinta-feira (16), aos 102 anos.

Ieoh Ming Pei

Pei nasceu em Guangzhou e cresceu em Hong Kong e Shanghai. Inspirou-se desde cedo nos belos jardins de Suzhou. Em 1935, ele se mudou para os Estados Unidos para iniciar os estudos em arquitetura na Universidade da Pensilvânia. Pouco tempo depois, transferiu-se para o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

Apaixonado pela arquitetura contemporânea, uniu-se a Walter Gropius e Marcel Breuer na Escola de Arte Bauhaus. Em 1955, fundou seu escritório em Nova Iorque, o Pei Cobb Freed & Partners.

A pedido do presidente francês, François Mitterrand, Pei desenvolveu o projeto da pirâmide do Museu do Louvre. Ousado e inovador, a proposta consistia na construção de uma pirâmide de vidro de 21 metros de altura na esplanada central do terreno.

Museu do Louvre em Paris

A estrutura funcionaria como uma das entradas para as galerias subterrâneas, uma espécie de entrada central. O projeto foi pauta de muitas discussões, uma vez que misturava a arte moderna com a arquitetura clássica do museu.

Em seis décadas de história, Pei projetou o prédio do Banco da China em Hong Kong, o prédio da Galeria Nacional de Arte em Washington DC, a Biblioteca Presidencial JFK em Boston, além do ícone norte-americano, o edifício do Hall da Fama em Cleveland.

Arrojado e inovador, seus projetos estabelecem um diálogo entre o moderno e o clássico. Pei ficou conhecido pelo uso de figuras geométricas simples, como triângulos, círculos e quadrados.

Seu último projeto foi o Museu de Arte Islâmica de Doha (Qatar), em 2008. Ao falar da arquitetura, Pei costumava dizer que os arquitetos deveriam conhecer profundamente a herança arquitetônica das diversas cultura ao invés de apenas repetirem o estilo Ocidental.

 

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Veja também

Vestimentas

As vestimentas tradicionais da China variaram ao longo dos diferentes períodos históricos e contextos sociais. Diferente da cultura do ocidente, os chineses não adotaram o estilo contemporâneo imediatamente.