15 de junho de 2020

Observatório do Coronavírus #134

Pesquisador brasileiro ganha bolsa para estudar novo coronavírus nos EUA; Governo federal recebe doação chinesa de 6,7 milhões de máscaras N95

Foto de capa: Rômulo Neris/Arquivo Pessoal

O pesquisador brasileiro Rômulo Neris ganhou uma bolsa da Dimensios Sciences, uma organização fundada por uma brasileira e sediada nos Estados Unidos, para estudar o vírus causador da COVID-19. A missão de Neris é ajudar a entender como efetivamente o novo coronavírus age no corpo humano. 

Para estudar o coronavírus, Neris vai deixar momentaneamente de lado suas pesquisas sobre o chikungunya, tema central de sua tese e que o levou a ficar nove meses fazendo parte de seu doutorado na Universidade da Califórnia em Davis. A bolsa para estudar o coronavírus é de três meses, prorrogáveis por igual período.

Foto: CNN/Reprodução

O governo federal recebeu na madrugada deste domingo mais 6,7 milhões de máscaras cirúrgicas vindas da China. A encomenda, feita pelo Ministério da Saúde, chegou ao país em voo fretado da Latam em operação logística coordenada pelo Ministério da Infraestrutura.

De acordo com o governo, o país já recebeu 126 milhões de máscaras cirúrgicas e do tipo N95 de um total de 240 milhões de unidades desde o início de maio. A aquisição de equipamentos de proteção individual atenderá aos Estados no enfrentamento da COVID-19.

Foto: Daniel Castellano

Estratégia ‘sueca’ falha e a capital paranaense volta a fechar bares e parques para frear coronavírus. De acordo com o prefeito Rafael Greca, o modelo não incluía um lockdown já que “apostava na inteligência das pessoas”. Na última semana, a cidade viu triplicar o número de registros diários da doença, que se mantinham em uma média de 14 por dia. 

Curitiba sai do nível de alerta amarelo (moderado) para o laranja (2, de risco médio), conforme o Protocolo de Responsabilidade Sanitária e Social, sistema de monitoramento adotado na cidade para rastrear a doença, e que estabelece quais medidas devem ser tomadas em cada nível. As academias de ginástica, reabertas por decreto estadual no dia 25 de maio, voltam a fechar a partir desta segunda-feira. 

Os shopping, que também retomaram as atividades, continuam abertos, mas com restrições: lojas das 12h às 20h. A praça de alimentação pode permanecer funcionando até às 15 horas para o público. Depois disso, os restaurantes devem operar apenas por delivery. Questionada sobre manter shoppings abertos, a secretária municipal da saúde, Márcia Huçulak disse que a prefeitura irá “observar” e não descarta a possibilidade de lockdown em um futuro próximo, caso a situação se agrave e a população não coopere com o isolamento.

Foto: Mariana Greif/Reuters

O Paraguai é um dos países que, até o momento, estão vencendo a batalha contra o novo coronavírus. Com pouco mais de 1.200 casos registrados e apenas 11 mortos, o país não registra nenhum óbito há mais de um mês. Nesta segunda-feira (15/06), os paraguaios entraram na fase 3 da “quarentena inteligente”, processo gradual de reabertura das atividades definido pelo governo. Nessa nova etapa, os restaurantes estão autorizados a abrir, desde que com agendamento prévio, reserva de mesa e registro individualizado de cada cliente, com nome, sobrenome, endereço, número de documento de identidade e telefone.

A OMS declarou que o novo surto de coronavírus na China é preocupante. Organização trabalha junto com o gigante do leste asiático para investigar as possíveis causas. “Isso não quer dizer que nós acreditamos que as autoridades vão perder o controle da situação, nós queremos entender o que o país está fazendo e, mais importante, o que ele está aprendendo com a origem e a transmissão”, disse o diretor de emergências da entidade, Michael Ryan.

O epidemiologista ressalta que o surgimento de novos surtos está acontecendo em países que estão suspendendo as restrições e retomando a rotina, como a Coreia do Sul e o Japão. Para ele, sair da quarentena e abrir as fronteiras de maneira segura é algo que pode ser feito, contanto que os países consigam vigiar e rastrear a doença e ter um sistema público de saúde eficiente e preparado para lidar com novos contágios e a população precisa entender quais lugares podem ser frequentados com segurança e quais comportamentos evitar para não ser infectado.

Foto: Lucas Jackson/Reuters

Novos casos de coronavírus e hospitalizações em números recordes foram registrados em vários Estados norte-americanos, incluindo Flórida e Texas, no momento em que a maioria dos governos estaduais realiza a reabertura de atividades econômicas e o presidente Donald Trump planeja um comício eleitoral em local fechado em Tulsa, Oklahoma.

Em todo o país, foram registrados mais de 25 mil novos casos da doença no sábado, número mais alto contabilizado em um sábado desde o dia 2 de maio, em parte devido a um aumento significativo de testes realizados nas últimas semanas.

ACOMPANHE O STATUS DO CORONAVÍRUS EM TEMPO REAL

O gráfico oficial mais recente divulgado pelo Ministério da Saúde mostra que o número casos acumulados de pessoas infectadas pelo coronavírus no Brasil chega aos 21 mil em apenas 24 horas, em comparação com a avaliação feita no dia anterior. No site é possível ver também o número de óbitos e de pessoas recuperadas da COVID-19.
O panorama geral feito pela Universidade John Hopkins, dos EUA, mostra que foram identificados mais de 134 mil novos casos de infectados pelo coronavírus no mundo em apenas 24 horas. EUA lideram os rankings de confirmados, seguido pelo Brasil, que se aproxima dos 870 mil casos. Em relação ao número de óbitos, o Brasil ocupa atualmente o 2º lugar no ranking mundial, com mais de 43 mil óbitos.

FAKE NEWS

Diariamente o Observatório do Coronavírus publica esclarecimentos sobre as mais recentes fake news divulgadas nas redes sociais e aplicativos de mensagens. Confira:

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Notícias relacionadas

Observatório do Coronavírus #214

Ministério da Saúde retira COVID-19 da lista de doenças relacionadas ao trabalho. Senado aprova utilização de recursos federais para volta às aulas.