Conheça 4 arquitetos que inovaram a arquitetura chinesa

Arquitetos trazem novos ares ao espaço urbano do país e inspiram jovens designers

Muito além da icônica Muralha e dos famosos pagodes, a arquitetura chinesa é marcada pela mistura entre passado e futuro. Arquitetos chineses vem transformando as paisagens do país, introduzindo elementos contemporâneos nas formais estruturas das cidades. Essa busca por uma nova identidade cultural trouxe à tona nomes mundialmente reconhecidos por seus projetos arquitetônicos.

Nessa linha encontra-se Wang Shu, ganhador do Prêmio Pritzker em 2012 – considerado o Nobel da Arquitetura. O experimentalismo de Shu foi um dos responsáveis pela quebra do paradigma arquitetônico chinês, trazendo influências do design internacional ao que considera “arquitetura profissionalizada e sem alma”. Não por acaso, Wang Shu foi uma das pessoas mais jovens a receber o prêmio internacional por seu trabalho atemporal.

Ningbo Tengtou Pavilion, um dos projetos de Wang Shu – Foto de Lu Wenyu

Também ganhador do Prêmio Pritzker e grande entusiasta da arquitetura contemporânea, Ieoh Ming Pei cruzou as fronteiras da China e levou sua visão inovadora à Paris. O arquiteto ganhou notoriedade mundial ao projetar a ousada pirâmide de vidro de 21 metros do Museu do Louvre, a convite do então presidente francês, François Mitterrand.

Museu do Louvre, em Paris

Faça um tour pelos museus mais conhecidos da China!

O despontar do novo estilo arquitetônico chinês serve de inspiração para a nova safra de profissionais. Entre esses jovens talentos, se destaca He Wei. Professor e pesquisador na Central Academy of Arts de Pequim, Wei se aproveita da conexão entre o antigo e o novo, ressignificando construções abandonadas no espaço urbano como forma de dar vida nova às vilas e aldeias da China.

Projeto de He Wei para o Museu de Cereais e Óleos, e Centro de Atividades da Vila Xihe – Foto de He Wei

Professor na Escola de Arquitetura da Chinese University em Hong Kong, o jovem Zhu Jingxiang redirecionou sua carreira após o terremoto que devastou Sichuan em 2008. O arquiteto chinês passou a atender áreas propensas a desastres, estendendo seus projetos de reconstrução para além de partes remotas da China, chegando a cidades africanas. Suas criações prezam pela personalização e viabilidade econômica.

Eco-Escola, projeto de Zhu Jingxiang – Foto de Lia Heng

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Veja também

Festival de Inverno de Harbin

Começou neste sábado (5), o maior festival de inverno do Hemisfério Norte, na cidade de Harbin (China). O evento, que teve sua origem na década