Cidade Proibida completa 600 anos com exposição inédita

O museu mais visitado do mundo coloca em exposição relíquias culturais nunca vistas antes

Foto: Xinhua/Jin Liangkuai

A Cidade Proibida, também conhecida como Museu do Palácio, inaugurou uma exposição que aborda seus 600 anos de história, desde o seu planejamento e arquitetura até a vida na corte nos tempos imperiais. Intitulada “Esplendor eterno: Seis séculos na Cidade Proibida”, a exposição exibe mais de 450 relíquias culturais e fotos históricas. Algumas das peças serão vistas pelo público pela primeira vez.

O palácio imperial popularmente conhecido como Cidade Proibida foi construído na Dinastia Ming (1368 – 1644) no centro de Pequim e serviu como residência de imperadores até a Dinastia Qin (221 a.C. – 206 a.C). A estrutura dos edifícios começou a ser erguida em 1406 e levou 14 anos para ficar pronta. Além de ser um dos maiores museus do mundo – com mais de 150.000 m² de área total construída, também é o mais visitados.

Visitantes observam um dos itens da exposição na Cidade Proibida - Foto: CGTN

Entre os itens raros está uma pequena coroa usada por uma imperatriz no dia do seu casamento (acima) e os dez “Enfeites Animais Esmaltados” (abaixo), que ficam juntos nos beirais do Salão da Harmonia Suprema, o maior e mais alto edifício da Cidade Proibida.

Os dez “Enfeites Animais Esmaltados”, exibidos em conjunto pela primeira vez - Foto: CGTN

A exposição fica em cartaz na Cidade Proibida até o dia 15 de novembro e, por enquanto, somente os que fizerem a visita presencial poderão contemplar esses tesouros. Entretanto, o Museu do Palácio disponibiliza diversas exposições virtuais para que o público possa se sentir mais perto deste acervo cultural e histórico da China. Também é possível fazer um tour 360º pelas praças e edifícios do complexo palacial.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Veja também

mulheres chinesas

Igualdade de gênero na China

Como a fundação da República Popular da China incentivou a emancipação feminina e a busca por igualdade entre homens e mulheres